Descomplicando o Brasil

A taxa de crescimento da economia brasileira, de acordo com diversas fontes ouvidas pelo Banco Central no Relatório Focus, deverá ficar entre 0,8% e 1,0% em 2019 e pode subir a 2,2% em 2020, estabilizando-se ao redor de 2,5% em 2021 e 2022.

Essas taxas são insuficientes para resolvermos o drama de mais de 13 milhões de desempregados, e a única solução para desafiarmos essas projeções passa por mais investimentos: atualmente o Brasil investe 15% do PIB e terá que investir mais de 20% para crescer a taxas da ordem de 4% ao ano.

Foto: Divulgação

É um alento, portanto, ver a iniciativa do presidente da Câmara dos Deputados, deputado federal Rodrigo Maia (DEM/RJ), que criou um Grupo de Trabalho para discutir com setores da sociedade um projeto de lei sobre o licenciamento ambiental buscando destravar um tema que está em discussão há 15 anos, quando foi apresentada a primeira versão do projeto de lei.

A coordenação do Grupo de Trabalho cabe ao deputado Kim Kataguiri (DEM/SP), que estabeleceu um cronograma, conduziu audiências públicas e ouviu inúmeros especialistas, acadêmicos, representantes do setor produtivo e de ONGs, membros do Ministério Público e do Poder Judiciário. A expectativa é que o projeto possa ser votado brevemente, ao fim do atual recesso parlamentar.

O licenciamento ambiental carece de uma lei geral que uniformize procedimentos entre União, estados e municípios. Atualmente, a legislação sobre o licenciamento ambiental é dispersa e a regulamentação do inciso IV do § 1º do art. 225 da Constituição Federal foi feita a partir de normas infralegais – como resoluções do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) – que frequentemente têm sua legitimidade questionada pelo Ministério Público.

Espera-se que a lei geral sobre o licenciamento ambiental organize os marcos legais e traga a segurança jurídica necessária para viabilizar mais de 400 bilhões de reais em investimentos no setor elétrico nos próximos 10 anos a fim de que seja possível atender à expansão da demanda (novas usinas e linhas de transmissão) e manter a qualidade dos serviços.

A proposta que será levada pelo deputado Kim ao plenário da Câmara contempla avanços. Um deles é a possibilidade de utilizar diagnósticos de empreendimentos preexistentes, ampliando a ênfase em medidas de redução e tratamento dos impactos provocados pelos empreendimentos.

Outros avanços dizem respeito: (a) ao estabelecimento de prazos para emissão das licenças e para a manifestação das autoridades envolvidas; e (b) a disponibilização de "termos de referência" padrão, eliminando um dos maiores gargalos do processo de licenciamento ambiental de grandes empreendimentos do setor elétrico. Estas medidas podem reduzir o prazo de licenciamento em mais de ano, sem perder qualidade na análise socioambiental. Prazos mais curtos de licenciamento, por sua vez, reduzem o custo dos projetos, implicando energia mais barata para os consumidores.

Apesar dos bem-vindos avanços, pequenos ajustes na proposta apresentada pelo dep. Kim poderiam enriquecer o projeto de lei como, por exemplo: (1) definir grau de impacto e forma de licenciamento dos empreendimentos, e não submeter essas definições à discricionariedade dos diferentes entes federativos; (2) prever a emissão das licenças pelo colegiado do órgão licenciador, evitando a responsabilização individual do funcionário que participar dos processos de licenciamento; e (3) assegurar que a população abrangida pelo empreendimento seja previamente informada. O White Paper #21 do Instituto Acende Brasil (www.acendebrasil.com.br/estudos) detalha essas e outras propostas.

O objetivo a ser perseguido com esse Projeto de Lei não é a "flexibilização" do processo de licenciamento ambiental, mas a definição de regras claras que aumentem a sua eficiência e acelerem o ritmo de investimentos e do crescimento sustentável.

Claudio Sales é presidente e Alexandre Uhlig é diretor de Assuntos Socioambientais e Sustentabilidade do Instituto Acende Brasil.

Shopping Parque da Cidade adota inovação em sistemas de gestão da água
Projeto fortalece posição estratégica do etanol
Transformar cidades em um lugar melhor para viver: o futuro sendo construído hoje
Encontro no Sesc Avenida Paulista discute os caminhos do fotoativismo