Por quê devemos nos preocupar com a falta de água na Cidade do Cabo

Você deve estar acompanhando de perto as notícias de que a Cidade do Cabo, na África do Sul, pode ser a primeira metrópole do planeta a ficar sem água, acontecimento que estão chamando de "Dia Zero". Isso é preocupante e mostra o quão vulnerável o mundo está em relação a esse assunto. Desde o ano 2000 o consumo de água por habitante naquele município não cresce mais. Na verdade, se mantém praticamente constante. Isso significa que os cidadãos fizeram sua parte para tentar conter a grave crise, mas ainda assim não foi suficiente. A equação é simples: embora o consumo por habitante seja o mesmo, a população seguiu crescendo e os volumes de água dos reservatórios usuais diminuíram. Obviamente se os moradores não tivessem reduzido o uso, a situação seria ainda pior. Entretanto, essa ação sozinha não foi suficiente.

Analisando os números sobre a evolução das chuvas na região, é possível notar que a cada período de chuvas os níveis apresentam picos, mas nunca regressam aos patamares dos anos anteriores - e assim sucessivamente até mostrar uma linha de tendência negativa. Esse é um gráfico que toda cidade com risco hídrico deveria analisar para comparar os volumes de anos antecedentes. Está diminuindo? Se a resposta for sim, é preciso tomar iniciativas.

Crédito/Foto: Divulgação

Frente a tudo isso, o que acontece agora com uma das maiores cidades turísticas do mundo? Para se ter uma ideia da gravidade do que ocorre por lá, não lavar o cabelo agora é uma atitude socialmente correta e os banhos não duram mais do que um minuto. Quem tem condições já está se mudando da Cidade do Cabo; quem não tem, se acotovela em filas por garrafas de água mineral, tanques para armazenar água ou álcool em gel.

O mais impressionante é que nesse momento surgem inúmeras alternativas mirabolantes, que conjugadas com o desespero da população e a falta de conhecimento do governo e da própria imprensa, acabam atrasando ainda mais a solução real do problema.

Uma solução única não resolve o problema da Cidade do Cabo e é necessário agir em diferentes frentes para tentar se chegar a um resultado:

1) Infelizmente, limitar drasticamente o consumo das pessoas com base no que se pode oferecer de água nos tempos atuais;

2) Diminuir radicalmente as perdas causadas por deficiência na operação, manutenção ou monitoramento dos sistemas de tratamento de água;

3) Diversificar a matriz hídrica por meio de tecnologias já consolidadas - a Cidade do Cabo está ao lado do mar, que neste caso, poderia ser uma fonte óbvia de água para abastecer a população.

O problema é que no atual momento tudo ficou mais complicado. A primeira opção é extremamente "dolorosa". As demais soluções são de médio e longo prazo. Sem contar que se tais opções fossem feitas com antecedência e planejamento, seguramente seriam mais baratas do que se feitas agora, de última hora.

A história ainda é mais triste e alarmante. De acordo com um artigo da BBC publicado em 11 de fevereiro deste ano, outras 11 cidades correm risco iminente de ficar sem água na torneira e duas delas na América Latina: São Paulo e Cidade do México. Todas as citadas são grandes metrópoles, com taxa populacional crescente e que passam por falta de planejamento e/ou limitação de recursos hídricos.

Essa lista, com certeza, poderia incluir várias outras cidades do próprio Brasil. Por todos os lados vemos as advertências de que muitos municípios estão caminhando na mesma direção que a Cidade do Cabo. Será que realmente já estamos nos planejando para evitar que o mesmo ocorra no local onde moramos, uma vez que podemos ser os próximos?

Por Renato Ramos, diretor Comercial da Dow Water Solutions para América Latina.