A culpa não é só das mudanças climáticas

Novo relatório da ONU destaca crescimento da fome no mundo com a estimativa de 820 milhões de pessoas nessa condição, o que significa que regredimos em todos os avanços que haviam sido registrados de 2010 em diante.

Em 2014, o mundo tinha 8,9% da população numa situação de severa insegurança alimentar. O resultado de 2017 foi de 10,2%. A África passou de 22,3% para 29,8% e a América Latina passou de 7,6% para 9,8%.

No Brasil, passamos de 4,6% da população com desnutrição em 2004, para 2,5% em 2017. Além disso, temos 22,3% da população adulta obesa, sendo que este número vêm crescendo pois em 2012 tínhamos 19,9%. Ainda sobre o Brasil, outro dado indica que as mulheres em idade reprodutiva afetadas por anemia passou de 14 milhões em 2012 (25,3%) para 15,5 milhões em 2016 (27,2%). Vários outros países também registram a coexistência de problemas díspares como sobrepeso e desnutrição, obesidade e insegurança alimentar.

Foto: divulgação

Segundo o relatório, o fenômeno el niño trouxe significativas anomalias entre os anos de 2015 e 2016, especialmente no Brasil. Nosso país também é citado por ter experimentado três ou mais anos com temperaturas máximas acima da média. O relatório segue indicando que as mudanças climáticas se acentuaram de 1990 a 2016, especialmente as secas, inundações, tempestades e as temperaturas extremas.

Contudo, em 2017 o Brasil registrou uma supersafra com 238 milhões de toneladas produzidas e um aumento em 13% nas vendas de produtos agrícolas para o exterior. Com esses resultados, convém refletirmos se o aumento da fome, ao menos no Brasil, está relacionado com as mudanças climáticas ou se estamos sendo cada vez mais incompetentes na distribuição, comercialização e consumo dos produtos alimentícios.

Podemos atribuir toda a responsabilidade às mudanças climáticas ou também devemos discutir a falta a gestão das empresas, do poder público e da sociedade? Digo isso em função dos números do desperdício. Todos os anos, de acordo com a FAO, cerca de 30% de todos os alimentos que são produzidos no mundo são perdidos ou desperdiçados. Isso representa, aproximadamente, 1,3 bilhão de toneladas de comida que vai para o lixo. 

As perdas ocorrem em todos os elos da cadeia produtiva. No campo e durante os transportes, a precariedade logística danifica frutas, legumes e verduras que poderiam ser consumidas se estivessem acondicionadas corretamente e protegidas de chuva e sol excessivo. Nos pontos de venda, a falta de cuidado no manuseio e o hábito do consumidor de apertar os alimentos para escolher os melhores, também causam desperdício.

Por fim, falamos do desperdício que ocorre nos restaurantes e também em nossas casas. Quantos de nós já jogamos no lixo alimentos que estragaram por não terem sido consumidos no prazo correto? E quantas vezes deixamos comida no prato?

Não se trata de minimizar a interferência das mudanças climáticas. Mas esse texto é um convite à reflexão a todas as empresas que atuam nos diversos elos da cadeia produtiva alimentícia no Brasil, pois há um grande espaço para melhoria nas operações e manuseio dos alimentos. A nós, consumidores, mais responsabilidade com o que temos a felicidade de comprar e a incapacidade de consumir.

Gleriani Ferreira é professora da Universidade Presbiteriana Mackenzie Alphaville, especialista em rastreabilidade de cadeias produtivas.

Shopping Parque da Cidade adota inovação em sistemas de gestão da água
Projeto fortalece posição estratégica do etanol
Transformar cidades em um lugar melhor para viver: o futuro sendo construído hoje
Encontro no Sesc Avenida Paulista discute os caminhos do fotoativismo