Brasil deve avançar em conectividade, serviços de mobilidade e eletrificação híbrida

Dos quatro grandes desafios impostos à indústria automobilística mundial, veículos conectados, serviços de mobilidade, direção autônoma e eletrificação, apenas os dois primeiros dois chamarão mais atenção no Brasil em 2019 e nos próximos anos.

Veículos autônomos estarão muito longe do mercado local e sem nenhuma previsão de efetiva introdução por problemas de alto custo, infraestrutura e regulamentação jurídica, entre outros. Eletrificação completa (por bateria ou pilha a hidrogênio) enfrenta grandes obstáculos, dos quais o preço bastante elevado parece uma barreira inexpugnável mesmo em médio prazo. Porém, no fim deste ano, a Toyota começará a produzir aqui o Corolla híbrido flex, um caminho mais adaptado à realidade nacional. Há, ainda, o carro elétrico de baixo custo com uso de motor/gerador a combustão que a Nissan desenvolve para o Kicks. Este deve estrear entre o fim de 2019 e o começo de 2020.

Fernando Calmon é engenheiro, consultor técnico e jornalista especializado no setor automobilístico.
Foto: Divulgação

Mas, pelo menos, o País avançará em dois campos: veículos conectados e novos serviços de mobilidade (NSM). A boa notícia vem do forte crescimento da rede celular 4G. De apenas 10% das conexões em 2016, chegaremos a 57% em 2020, numa posição de liderança na América do Sul. Essa expansão acelerada animou a GM a lançar, já em meados deste ano, o primeiro modelo a sair de fábrica com internet a bordo e roteamento Wi-Fi a ser comercializado no País. A Coluna pode antecipar que o Cruze permitirá até sete usuários no mesmo chip, mas a operadora ainda não foi selecionada.

No entanto, as funcionalidades de carros conectados só serão mais bem aproveitadas com a tecnologia 5G, capaz de processar dados móveis de 10 a 20 vezes mais rápido que a atual 4G. Isso ainda demora a se implantar por aqui. Na melhor hipótese em 2025 – ou seja, um atraso de cinco a seis anos em relação aos países centrais.

Segundo a Bright Consulting, de Campinas (SP), o transporte urbano vem evoluindo para algo mais abrangente, a mobilidade. Trata-se de uma mudança de conceito, menos concentrado no sistema em si e mais no usuário. A abordagem apenas de aumento de capacidade não é eficiente, nem sustentável.

Compartilhamento de carros, deslocamento individuais ou compartilhados por aplicativos e até táxis, além do papel das bicicletas em percursos mais curtos e de ligação entre modais, começam a avançar nas grandes cidades brasileiras. A oferta continua a aumentar e as perspectivas são de que não fiquemos tão atrasados nesse aspecto sobre o que acontece no mundo.

Esses NSM caracterizam-se como forma confiável, conveniente e acessível de se deslocar de um lugar para outro, além de oferecerem um modo mais fácil de realizar o pagamento. Em cidades pequenas a falta de escala é um fator inibidor, mas ao longo do tempo várias se transformarão em conglomerados médios e estes em grandes.

Para a consultoria, as novas formas de mobilidade trarão um impacto negativo discreto, entre 2% e 4% em 2025, sobre as vendas totais de veículos leves no Brasil. Afinal, cidades pequenas é que ditam, hoje, o ritmo alto da demanda. Os números serão resultado do equilíbrio entre aqueles que precisarão comprar um carro para o dia a dia ou moram e trabalham em locais relativamente distantes e usuários dos NSM.

Artigo publicado originalmente no portal AutomotiveBusiness em 02/01/2019. 

Link relacionado

Conferência Transporte de Produtos, Logística e Frota Sustentável

Votorantim Cimentos aprimora matriz energética com resíduos urbanos
Lixões liberam 6 milhões de toneladas de gases de efeito estufa ao ano
Abetre apresenta cartilha com alternativas para gerenciamento de resíduos
Vendas explosivas da Tesla na Noruega fazem Mercedes viver seu momento Kodak