Brasil está em 56º lugar no ranking de iniciativas urbanas sustentáveis

Aplicar políticas públicas e privadas que incentivem ações de cunho de mobilidade urbana sustentáveis se tornou muito mais que uma "modinha" e já virou uma questão de honra para países e governantes que queiram fazer alguma diferença no mundo que vivemos.

Segundo dados do site Rede de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável da ONU, nosso país encontra-se com 69,7 pontos, em um ranking de 156 países. Nossos piores índices ficaram com redução de desigualdades (25,7 pontos), indústria, inovação e infraestrutura (45,3) e paz, justiça e instituições fortes (47,3). Números um pouco melhores foram encontrados com Água Limpa e Saneamento (98,3 pontos).

Gabriel Arcon é CEO da E-moving, startup de aluguel de bikes elétricas.
Foto: Divulgação

Os 10 primeiros lugares ficaram com 1º Suécia – 85,0 pontos; 2º Dinamarca – 84,6 pontos; 3º Finlândia – 83,0 pontos; 4º Alemanha – 82,3 pontos; 5º França – 81,2 pontos; 6º Noruega – 81,2 pontos; 7º Suíça – 80,1 pontos; 8º Eslovênia – 80,0 pontos; 9 º Áustria – 80,0 pontos; e 10º Islândia – 79,7 pontos.

Levantamentos como este são de suma importância para entendermos quais são as medidas que devemos tomar para melhorar nosso posicionamento em nível global no que se refere a atitudes mais sustentáveis. Por que não se inspirar na Suécia ou Dinamarca e tentar adaptar algumas iniciativas para que nossa população seja melhor atendida em aspectos básicos, como educação, saúde, habitação, meio ambiente e mobilidade urbana?

Claro que temos peculiaridades e sabemos que não há como replicar ações de países tão menores, em termos de extensão territorial como o Brasil, mas acredito que seja cada vez mais necessário empenho e estudos de onde algumas histórias já deram certo.

Como atuo fortemente no mercado de mobilidade urbana, posso dizer que vejo importantes movimentações de empresas, startups e público final para que sejam cada vez mais incentivados os usos de bikes e patinetes elétricos pelas cidades. Mas para que isso aumente, é preciso mais estrutura e segurança para todos. Afinal, de nada adianta empresas oferecerem o modo de deslocamento, se não existem ciclovias e ciclofaixas respeitáveis, não é mesmo?

Por isso, finalizo aqui com uma provocação: o que você poderia propor para sua cidade que pudesse contribuir para que o Brasil figure pelo menos entre os 20 países mais sustentáveis do mundo? Deixe aqui sua contribuição para um país melhor.

Shopping Parque da Cidade adota inovação em sistemas de gestão da água
Projeto fortalece posição estratégica do etanol
Transformar cidades em um lugar melhor para viver: o futuro sendo construído hoje
Encontro no Sesc Avenida Paulista discute os caminhos do fotoativismo