Inovação no mercado de resíduos já é realidade

A compra e a venda de resíduos podem ser consideradas práticas ainda complexas no Brasil. Existem diversos fatores que dificultam compradores e vendedores a investirem mais nesse nicho, sem medo de errar na escolha: dificuldade em encontrar parceiros qualificados, custos de logística e alto custo de prospecção para fornecedores qualificados, dificuldade em alocar equipe 100% dedicada, bitributação dos materiais recicláveis, outras prioridades de investimento ou falta de tempo e capital são alguns dos motivos mais comuns.

Para se ter uma ideia, o Brasil enterra, anualmente, cerca de 120 bilhões em resíduos que poderiam ser reciclados como matéria-prima. Isso significa que instituições privadas, estatais e órgãos do governo precisam se conscientizar ainda mais de como devem proceder com seus resíduos de maneira sustentável. Porém, a distância e dificuldade de interlocução entre as partes ainda são aspectos que geram bloqueio para essa atitude se tornar cada vez mais real no mundo industrial e corporativo.

Renato Paquet é formado em Ecologia com ênfase em economia circular e gestão na UFRJ, Diretor Presidente de Cleantechs da Associação Brasileira de Startups e fundador da Polen, uma startup de sustentabilidade que realiza a logística reversa e transforma resíduos em matéria-prima e para mais de 800 empresas no Brasil e em seis países.

Vivemos um momento de grandes mudanças na forma como as empresas fazem seus negócios, o chamado business as usual vem sendo ressignificado nas indústrias mais inovadoras e também naquelas tradicionais que já enxergam resíduos como fonte de receita acessória e matéria-prima. Porém ainda muito se ouve falar sobre a relevância da implementação de práticas sustentáveis e pouco sobre a solução efetiva dos problemas e a grande oportunidade que há por trás da valoração dos resíduos. E o quanto isso representa para o nosso futuro, tendo em vista serem alarmantemente os maiores problemas da era antropocênica tanto a poluição quanto a escassez de recursos ecossistêmicos.

O processo está sendo desencadeado pouco a pouco pela revolução tecnológica e cultural já existente, ou seja, utilizar artifícios tecnológicos que otimizam a venda e compra de resíduos para além de maior rentabilidade às empresas, agrega diferentes benefícios para o futuro da sociedade e das instituições: toda vez que consumimos resíduos como matéria-prima, temos dois ganhos diretos – deixar de explorar ecossistemas para extrair recursos virgens e gastar menos energia no processo de fabricação de um produto, já que 75% da energia necessária para este processo é consumida entre etapa de extração do recurso e sua transformação e matéria-prima.

Por meio de soluções tecnológicas, por exemplo, é possível implementar a logística reversa e conectar compradores e vendedores de resíduos, diminuindo também as barreiras da distância, eliminando os custos e a necessidade de uma equipe interna para vender e comprar resíduos, além de cumprir a lei necessária de forma lucrativa e estimulando a economia circular.

A inovação dentro desse segmento permite que novas tecnologias ressignifiquem resíduos em coprodutos, ou seja, altere o mindset do industriário para tratar resíduos de uma outra forma, enxergando-o também como resultado do seu processo produtivo e o comercializando, reduzindo os impactos negativos no meio ambiente, gerando valor para uma empresa e contribuindo para a redução de consumo de recursos naturais. Por isso, vale a pena repensar em como armazenar, descartar e classificar seus resíduos. Eles podem ser a matéria-prima de alguém, nova fonte de receita e um grande agente de mudança para transformarmos a qualidade ambiental do nosso planeta!

Bike Itaú incentiva economia de CO2 na semana da mobilidade
Empreendedores investem em placas fotovoltaicas para reduzir custos com energia elétrica
Veracel usa bagaço de cana como alternativa para gerar energia
Renner utiliza energia solar para abastecimento de lojas