Não usem o santo nome dos agricultores brasileiros em vão

O agronegócio significa em torno de 25% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil. Mas, atenção: desses 25%, se transformados em 100%, como ficaria a divisão dentro dele? Quanto significa os produtores rurais dentro dessa conta do agronegócio? Cerca de 30%. O restante, ou seja, 70% do que chamamos agronegócio, não está dentro da porteira das fazendas.

Esses 70% são formados, na sua maior parte, em quase 60% pela indústria, a agroindústria, pelos supermercados, o varejo dos alimentos, pelo transporte e armazenagem. Os outros 10% pelos setores de máquinas agrícolas, sementes, adubo, defensivos e produtos veterinários.

Do total do agronegócio brasileiro, saiba que 70% dele não estão nas mãos dos agricultores. Apesar de que sim, sem os produtores rurais não haveria todo o resto.

Mas, para que serve toda essa conta?

Crédito: divulgação

Voltando ao assunto do tabelamento do frete. Com essa bagunça de falta de negociação ao longo do tempo, com caminhoneiros sofrendo e sendo castigados com condições inumanas de trabalho na horrível infraestrutura da logística brasileira, com o que concordo com os líderes dos seus movimentos, mas, também colocando um basta na choradeira da vitimização nacional que assola o país, ou seja, pela incompetência da Sociedade Civil Organizada e dos seus representantes em se unirem e juntos resolverem os problemas do país, voltamos agora a um impasse com promessas de mais crises na relação transporte, o país e o agro.

Mas, atenção: um agro industrial, um agro comercial, em que essa questão do confronto com a idiotice do tabelamento do frete não pode ser colocada para a opinião pública como sendo agora coisa dos agricultores versus os caminhoneiros.

Onde não há diálogo e negociação, tudo termina em explosão.

Existe um comando nacional do transporte, a CNT, assim como existe a Confederação Nacional do Transporte, além de dezenas de associações e de candidatos a serem líderes dos caminhoneiros.

Do outro lado temos dezenas de entidades patronais, uniões como a Associação Nacional dos Usuários de Transportes, além de termos a CNA – Confederação Nacional da Agropecuária, a CNI, da indústria, e a CNT, do comércio. E pelo lado do governo, os ministros e o transporte da agricultura, que aparecem falando agora em nome dos antagonistas dos caminhoneiros, têm a ANTT – Agência Nacional de Transportes Terrestres, que vai propor nova tabela.

Então, como cantava Raul Seixas: "Eu sei até que parece sério, mas é tudo armação; 

o problema é: muita estrela, "prá" pouca constelação".

Vivemos, sim, uma gravíssima crise de lideranças e de representação, e nesse vácuo, sobram WhatsApps com espertos berrando, chamando suas vítimas e fazendo convocação.

"O menino da porteira" cantava também Sérgio Reis, "Toque o berrante, seu moço que é pra eu ficar ouvindo...".

Portanto, não usem o santo nome dos agricultores brasileiros em vão.

José Luiz Tejon Megido é conselheiro Fiscal do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) e diretor do Núcleo de Agronegócio da ESPM.

 

ABB apresenta solução de última geração neutra em CO2
Armazenamento Energético em Geração Distribuída
Brasil está em 56º lugar no ranking de iniciativas urbanas sustentáveis
Exportação de produtos florestais alcança US$ 2,8 bilhões no 1º trimestre