Nove mil anos em doze

O plano de metas de Juscelino Kubitschek, quando foi eleito presidente da República em 1955, tinha como síntese de sua proposta de desenvolvimento o mote "50 anos em cinco". Curiosa analogia pode ser estabelecida em 2018, considerando-se as eleições, as reivindicações do agronegócio ao governo e a recente descoberta do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP, de que, há nove mil anos, os habitantes originais da Amazônia brasileira já cultivavam mandioca, feijão, abóbora, goiaba e castanha-do-pará, inclusive manejando o solo para que se tornasse mais fértil.

Foto: divulgação 

Nossos agricultores ancestrais realizavam seu trabalho de modo tão eficiente, que o Sudoeste Amazônico credencia-se a ser caracterizado como berço pré-histórico da agricultura, em posição similar à do Crescente Fértil, no Oriente Médio, e à dos vales dos grandes rios chineses. E fizeram tudo isso, obviamente, sem ajuda do Estado, que sequer existia. Guardadas as devidas proporções, o agronegócio brasileiro tem se desenvolvido de maneira notável, movido muito mais pelo empenho, capacidade de trabalho e tenacidade dos seus empresários e trabalhadores do que pelo apoio estatal. Apesar de sua importância cada vez maior para nossa economia e balança comercial, há numerosas e relevantes lacunas a serem supridas por políticas públicas adequadas.

Nesse sentido, é crucial que o presidente eleito, Jair Bolsonaro, e a futura ministra da Agricultura, deputada federal Tereza Cristina, deem atenção ao substantivo documento com as propostas do setor, que havia sido entregue aos candidatos às eleições deste ano. A sua elaboração foi capitaneada por Roberto Rodrigues, coordenador de Agronegócio da Fundação Getulio Vargas (FGV) e reconhecido especialista no tema. As sugestões, muito pertinentes, abrangem o período até 2030, ou seja, quatro mandatos presidenciais. Podemos considerar, então, levando-se em conta a ainda modesta participação do Estado no fomento da atividade e a milenar atividade desta, recém-descoberta pelos cientistas, tratar-se de um plano de metas que contempla "nove mil anos em 12".

As principais sugestões, embora algumas sejam específicas, têm congruências com as reivindicações de distintos segmentos: segurança jurídica, menos burocracia, melhorias na logística e na armazenagem, investimentos na sustentabilidade, Estado menor e mais eficiente e reformas estruturais (previdenciária, tributária e política). Eu acrescentaria: mais acesso a crédito, inclusive para os pequenos e médios produtores, e aperfeiçoamento do seguro rural. Como definiu o próprio Roberto Rodrigues, trata-se de um projeto que transcende à agropecuária, pois objetiva "transformar o Brasil no campeão mundial da segurança alimentar".

Cultivar a terra, conforme constatam os pesquisadores da USP, está em nosso DNA há quase dez mil anos. Que o novo governo seja um marco para o infinito desenvolvimento do agronegócio, o presente e o futuro do País!

João Guilherme Sabino Ometto é presidente do Conselho de Administração da São Martinho. 

Bike Itaú incentiva economia de CO2 na semana da mobilidade
Empreendedores investem em placas fotovoltaicas para reduzir custos com energia elétrica
Veracel usa bagaço de cana como alternativa para gerar energia
Renner utiliza energia solar para abastecimento de lojas