O Rio pede água!

Muitos municípios do Rio de Janeiro sofrem com falta de água. A Região dos Lagos é um exemplo. Na capital, o baixo investimento no setor gera insegurança em relação ao abastecimento. Empresas, edifícios comerciais, shoppings e grandes condomínios buscam alternativas para que não falte este recurso em suas dependências.

                                                                                       Foto: Fábio Wanderley

Atualmente, há uma discussão sobre uma maior participação da iniciativa privada na gestão do saneamento básico no Brasil para pensar em estratégias e tecnologias para promover sustentabilidade hídrica no dia a dia. A política de saneamento requer um ciclo longo de investimentos e o poder público não dispõe de recursos para universalizar na velocidade que seria necessário.

Além de garantir o abastecimento das empresas e indústrias, o meio ambiente também sai ganhando se aumentar a participação privada. Não só por economizar água com reuso, por exemplo, mas também porque o que volta para rios e mananciais é tratado, evitando poluir ainda mais esses locais.

Fernando Pereira é diretor Comercial da General Water. 

 

 

 

Aeroporto Salvador Bahia pretende economizar 2 milhões de m³ com sistema de reuso
FSC reforça a importância das florestas para o desenvolvimento sustentável
Energia solar fotovoltaica ocupa sétima posição na matriz elétrica brasileira e ultrapassa nuclear
Setor sucroenergético impulsiona economia e preservação do meio ambiente no Triângulo Mineiro