RenovaBio precisa ser uma política de Estado

Participei recentemente de um evento do jornal Financial Times, em que foram discutidos os desafios do Brasil para o avanço das commodities nos mercados interno e externo, principalmente, na iminência da troca de governo no Brasil. Na ocasião, procurei frisar na minha fala, novamente, a importância da Política Nacional para os Biocombustíveis, mais conhecida como RenovaBio. E a principal mensagem foi: "o RenovaBio precisa ser uma política de Estado e não de governo". Com esse gancho, usei esse espaço para abordar o tema, porque embora o programa esteja no processo de regulamentação dentro dos prazos esperados, com o envolvimento e empenho de muitos agentes públicos e privados, precisamos discutir as questões ambientais e de sustentabilidade que o norteiam.

Foto: divulgação

Eu disse essa frase porque o conceito que envolve o RenovaBio, ou seja, o estímulo à redução de emissões de gases causadores do efeito estufa no setor de transportes, faz parte de uma agenda não somente do Brasil, mas também do planeta. É um programa de descarbonização que promove economia de baixo carbono, pela qual teremos chances de resolver as questões de clima, hoje amplamente discutidas, principalmente, no âmbito do Acordo de Paris. E isso é uma questão de Estado e não de um governo.

Ter um programa que dá previsibilidade e clareza às regras (uma delas é a redução de emissões em 10% até 2028) é saber que os biocombustíveis com maior participação na matriz de combustíveis vão reduzir a poluição dos grandes centros urbanos, melhorando o ar que respiramos e nossa saúde.

Além disso, o RenovaBio leva à frente uma agenda de desenvolvimento, porque, sem dúvida nenhuma, os setores produtivos de biocombustíveis vão precisar investir em eficiência produtiva, gerando mais empregos e renda.

A Agência Internacional de Energia diz que até 2060 os biocombustíveis serão responsáveis por 30% do abastecimento no mundo. O setor de transporte, hoje, tem uma participação relevante nas emissões de CO2. Se esse fundamento é importante para o resto do mundo, imagine para o Brasil, que tem infraestrutura montada para os renováveis e fontes alternativas, experiência e tecnologia?

Não podemos perder essa pauta!

Elizabeth Farina é presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica). 

FSC como instrumento para a conservação da biodiversidade
Shopping Anália Franco instala sistema de reuso de água
ABB apresenta fábrica neutra em CO2 na Alemanha
Brasil está em 56º lugar no ranking de iniciativas urbanas sustentáveis