Uma década perdida para o meio ambiente

A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), instituída pela Lei Federal nº 12.305/2010, completa 9 anos. Em termos ambientais e de saúde pública, seu principal item é o que estabeleceu prazo de 4 anos, expirado em 2014, para a erradicação dos lixões em todo o país. Transcorridos 5 anos da data limite, 60% dos municípios brasileiros seguem descumprindo a determinação, abrangendo cerca de 42 milhões de habitantes, que continuam convivendo com o grave problema.

De acordo com a Associação Brasileira de Empresas de Tratamento de Resíduos e Efluentes (Abetre), a falta de vontade política tem sido a principal causa para o adiamento das soluções. A PNRS (lei e decreto de regulamentação) estabelecia quatro prazos para ações de implementação, que não foram cumpridos: a proposta preliminar do Plano Nacional de Resíduos Sólidos, até 2011; os planos de gestão dos resíduos serem condição de acesso para recursos da União, até 2012; a implementação do Sistema Nacional de Informações sobre a Gestão de Resíduos Sólidos (SINIR), também em 2012, mas que só foi realizada este ano; e a extinção dos lixões, que deveriam ser substituídos por aterros sanitários até 2014.

Luiz Gonzaga é presidente da Abetre.
Foto: divulgação

"Estamos vendo uma década praticamente perdida em termos ambientais", afirma o presidente da Abetre, Luiz Gonzaga. "Os lixões e a destinação incorreta de resíduos causam enorme mal ao meio ambiente e às pessoas. Mas, sua erradicação não é vista como prioridade. Contudo, é um problema que precisa ser resolvido com urgência."

Recentemente, o Plano Nacional do Saneamento Básico (Plansab), que estava em consulta pública, estipulava o fim dos lixões apenas para 2033. A data voltou ao debate político, quando a Marcha dos Prefeitos desengavetou um PL de 2015, que dava mais prazo para os municípios brasileiros cumprirem suas obrigações. Atualmente, está no Congresso para votação, o Marco Legal do Saneamento Básico, o PL 3.261/2019, do Senador Tasso Jereissati, que tenta estipular o fim dos lixões para até 2023.

"Apesar de querer amenizar o problema, o prazo carece de medidas adicionais, como a implantação da sustentabilidade econômica e financeira através da cobrança de tarifa dos usuários. Para que isso aconteça, é fundamental a participação da iniciativa privada, que só é possível se houver vontade política", explica Gonzaga.

Segundo dados do Sistema Nacional de Informações de Saneamento (SNIS), elaborado a partir das respostas de 3.556 municípios (o que corresponde a 64% das cidades brasileiras e 84% da população urbana) existem 2.307 unidades de disposição final, sendo 640 aterros e 1.667 lixões. A cada dez locais de destinação final, sete são lixões.

Acredita-se que esse número seja ainda maior, uma vez que 2014 municípios não declararam a destinação final de seus resíduos.

Estudo feito pela Abetre indica que as regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste registram a maior quantidade de destinação incorreta, com mais de 80% dos resíduos indo parar em lixões. Sudeste vem logo atrás, com aproximadamente 40% de destinações incorretas. O Sul apresenta os melhores índices, com cerca de 80% dos resíduos indo para aterros sanitários.

Ainda segundo levantamento da Abetre, para resolver os problemas dos lixões no Brasil são necessários aproximadamente 500 aterros sanitários, que podem ser construídos com um investimento de R$ 2,6 bilhões - cerca de R$ 63,40 per capita. 

Ternium transforma sucata em aço de qualidade
ES: EDP instala posto elétrico em Cachoeiro de Itapemirim
Metrô de São Paulo abastece estações com água subterrânea
Amazônia, soberania e governança global