Uma reflexão sobre a descarbonização dos transportes

Eletromobilidade, conectividade e mobilidade urbana foram os três principais assuntos apresentados durante o 30º Salão do Automóvel, realizado em São Paulo. Como consultor de tecnologia e emissões automotivas, na minha visão, essas características são extremamente importantes para o desenvolvimento de uma economia de baixo carbono no setor de transportes para os próximos 10 ou 20 anos.

Todos entendem que o mundo está caminhando para mitigar as mudanças climáticas e que o setor de transportes é um dos responsáveis por esses efeitos. Mas acredito que o Brasil tem uma grande vantagem competitiva sobre alguns desses pontos em relação a outros países: temos os motores flex e os biocombustíveis.

Alfred Szwarc é consultor de Emissões e Tecnologia da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica).
Foto: Divulgação

Segundo dados divulgados pela Unica, o consumo de etanol no Brasil, desde 2003, proporcionou uma redução superior a 500 milhões de toneladas de CO2, ou seja, emissões que equivalem a quase 840 milhões de viagens de caminhão entre as cidades de São Paulo e Rio de Janeiro.

A indústria automotiva tem investido em pesquisa e desenvolvimento para garantir maior eficiência nos motores, menor consumo de combustíveis e menor emissão de gases causadores do efeito estufa. Portanto, é fato que os carros híbridos e elétricos vieram para ficar, mas também é verdade que o etanol contribuirá para seu avanço, a exemplo dos carros elétricos movidos a células de combustível e dos híbridos flex. Afinal, políticas públicas como o RenovaBio e o Rota 2030 colocarão o Brasil no caminho da descarbonização dos transportes.

Acredito que nosso maior desafio está em transformar o transporte público e a frota de cargas menos dependentes dos fósseis. Embora existam pesquisas e projetos nesse sentido, faltam políticas públicas para incentivar investimentos privados. Será possível, no futuro, usufruirmos ônibus municipais e caminhões com sistemas híbridos a etanol, elétricos ou os exclusivamente a etanol ou a biogás.

E sob esse conceito mais sustentável é onde habita a gestão pública de cidades inteligentes, pela qual é possível organizar, entre os diversos serviços, o de transporte garantindo um ambiente menos poluente e mais saudável para a população.

Link relacionado

Conferência Transporte de Produtos, Logística e Frota Sustentável 

Votorantim Cimentos aprimora matriz energética com resíduos urbanos
Lixões liberam 6 milhões de toneladas de gases de efeito estufa ao ano
Abetre apresenta cartilha com alternativas para gerenciamento de resíduos
Vendas explosivas da Tesla na Noruega fazem Mercedes viver seu momento Kodak