91% de gestores acreditam que empresas aplicam conceitos de economia circular, aponta pesquisa

Pesquisa realizada pela Fundação Espaço Eco (FEE) em parceria com a Confederação Nacional da Indústria (CNI) aponta que, para 91% dos gestores e especialistas de sustentabilidade, as empresas aplicam conceitos da economia circular, que prevê o aumento de vida útil de produtos e materiais. No entanto, para 71% dos entrevistados, esses esforços concentram-se na recuperação de recursos, como a reciclagem. Outros 14% destacam que há iniciativas de uso de insumos que podem ser ou foram restaurados, 7% disseram que há foco na oferta de serviços por meio de produtos e 7% trabalham com inovações que aumentam a vida útil dos produtos.

De acordo com o gerente-executivo de Meio Ambiente e Sustentabilidade da CNI, Davi Bomtempo, a economia circular não deve se restringir apenas à reciclagem, pois é uma agenda estratégica que deve mudar o modelo de negócios e promover a inovação. "Esse novo modelo é uma alternativa importante para solução à mudança climática, redução de resíduos e produção mais eficiente", disse Bomtempo. "Para a alavancagem da economia circular, é preciso considerar melhorias no acesso ao crédito, incentivos à inovação e melhoria de políticas públicas."

Rodolfo Viana, diretor-presidente da FEE. Foto: divulgação

A opinião é compartilhada pelo diretor-presidente da FEE, Rodolfo Viana. Para ele, ainda há pouco enfoque na concepção de produtos com maior ciclo de vida e mudança na mentalidade para a adoção do conceito na estratégia dos negócios. "A pesquisa detectou também que a grande motivação para a adoção desse novo modelo ainda é econômica, mas há também uma preocupação genuína com os impactos ambientais e com a escassez de recursos", destacou.

Viana, afirmou também que a pesquisa é um termômetro para começar a aquecer o debate da economia circular e da gestão do ciclo de vida dos produtos na sociedade. "É preciso começar a medir e tangibilizar os impactos gerados pelos produtos em todo o seu ciclo de vida para comprovarmos as vantagens do uso mais eficiente de recursos e da circularidade.”

O levantamento, que também contou com o apoio do Centro de Inovação em Economia Circular da Universidade de São Paulo (USP) e Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict), ouviu profissionais de 22 indústrias e organizações que tratam do tema.

ABB apresenta solução de última geração neutra em CO2
Brasil está em 56º lugar no ranking de iniciativas urbanas sustentáveis
Armazenamento Energético em Geração Distribuída
Programa que reciclou mais de 50 milhões de garrafas de vidro ganha escala setorial