Empresas de energia correm o risco de perder US$ 1,6 trilhão ao ignorar a transição para baixo carbono

As empresas de combustíveis fósseis correm o risco de desperdiçar US$ 1,6 trilhão em gastos até 2025, se basearem seus negócios em políticas de emissões já anunciadas pelos governos em vez das metas climáticas internacionais, alerta o Carbon Tracker em um relatório divulgado na última quinta-feira (8), o qual pela primeira vez modela o cenário 1,75°C da Agência Internacional de Energia.

Mind the gap: the $1.6 trillion energy transition risk é o primeiro relatório a analisar as implicações financeiras para os investidores do hiato existente entre o Acordo de Paris, que se compromete a manter a mudança climática bem abaixo de 2°C acima dos tempos pré-industriais, visando 1.5°C, e as políticas governamentais, que são consistentes com um aquecimento de 2.7°C.

"Atualmente, as políticas dos governos ficam longe do objetivo final comprometido em Paris, mas devemos esperar um aumento dos esforços internacionais. Empresas que interpretam mal os sinais e sobreinvestem em projetos marginais de petróleo, gás e carvão com base em um falso senso de segurança poderiam destruir o valor do acionista em bilhões de dólares", Andrew Grant, analista sênior da Carbon Tracker.

O Carbon Tracker comparou a demanda por combustíveis fósseis em um mundo de 1.75°C - o ponto médio do Acordo de Paris - com a demanda em um mundo de 2.7°C, olhando para a produção de petróleo, gás e carvão até 2035 e os investimento de capital para 2025.

Crédito/Foto: Divulgação

De acordo com a conclusão do relatório, para a produção do petróleo, US$ 1,3 trilhão de gastos futuros estão em risco. Os novos investimentos em oil sands não serão econômicos, e apenas uma minoria do investimento no petróleo potencial do Ártico e extra pesado vai continuar. Os EUA estão mais expostos, com US$ 545 bilhões em risco, seguido do Canadá (US$ 110 bilhões), China (US$ 107 bilhões), Rússia (US$ 85 bilhões) e Brasil (US $ 70 bilhões).

A metade dos gastos futuros potenciais do desenvolvimento de gás europeu poderia ser não econômica e não haverá necessidade de nova capacidade de gás natural liquefeito (GNL) por uma década. A Rússia está mais exposta, com US$ 57 bilhões em risco, seguida pelos EUA (US $ 32 bilhões), Qatar (US $ 14 bilhões) e Austrália, Canadá e Noruega (todos US $ 13 bilhões). 

O carvão coloca US$ 62 bilhões em risco, incluindo US$ 41 bilhões na China e US$ 10 bilhões nos EUA. Nenhuma nova mineração de carvão será viável, exceto na Índia, para substituir as importações, e nenhuma nova produção de carvão para exportação será necessária.

Os investidores privados correm maior risco do que as empresas estatais. Eles estão expostos a 88% dos gastos com projetos de petróleo e gás desnecessários. Para o carvão, as despesas de capital do setor privado em um mundo de 1.75°C são metade do nível abaixo de 2.7°C.

A pesquisa anterior da Carbon Tracker mostrou como o rápido crescimento de tecnologias limpas está prejudicando o business case para o investimento em combustíveis fósseis, independentemente de metas climáticas. A queda dos custos de veículos elétricos e da tecnologia solar poderia deter a demanda global de petróleo e carvão a partir de 2020.

"A indústria da energia está entrando em uma era de incertezas. Desenvolvimentos tecnológicos e políticas climáticas estão se combinando para retardar a demanda de combustíveis fósseis de uma forma sem precedentes no mundo moderno, levando os investidores a exigir que as empresas sejam testadas contra cenários que refletem níveis mais altos de ambição climática”, disse Grandt.

O estudo é o primeiro a modelar a demanda de petróleo, gás e carvão térmico sob o Cenário Além de 2 Graus da Agência Internacional de Energia, introduzido no ano passado, alinhado com 1.75C, ponto médio do Acordo de Paris, e compará-lo com o Cenário de Novas Políticas da AIE, alinhado com 2.7C, consistente com as políticas de emissões anunciadas pelos governos globais. Com a oferta suplantando a demanda, assume que os projetos de menor custo provavelmente serão necessários, enquanto os projetos de alto custo que dependem de preços mais altos provavelmente não serão econômicos.

Para Andrew Grandt, "As empresas de energia devem ser transparentes quanto ao seu pensamento em torno de resultados de baixa emissão de carbono e convencer os acionistas de que eles estão levando esses riscos a sério".

Tetra Pak apresenta websérie sobre histórias de vida daqueles que atuam com reciclagem no país
Agricultura brasileira e redução dos gases de efeito estufa
A biomassa de cana quebra paradigmas
Cabify adere ao Pacto Global da ONU