Empresas se unem para desenvolver IoT no agronegócio

A Ericsson, Vivo, Raízen e EsalqTec anunciaram recentemente um acordo que vai impulsionar o desenvolvimento da internet das coisas (IoT) no agronegócio, um dos principais motores do PIB nacional e responsável pela geração de um terço de todos os empregos do país, por meio da utilização da faixa de 450MHz para o 4G/LTE na região de Piracicaba (SP). 

A iniciativa, inédita no Brasil, une personagens relevantes para tornar o tema uma realidade nacional. A Ericsson contribuirá com sua liderança em tecnologias móveis e plataformas de software para IoT, enquanto a Vivo levará a sua rede móvel utilizando a frequência de 450Mhz. Do outro lado, a parceria conta com o expertise e infraestrutura agrícola da Raízen e a facilitação e aplicação acadêmica das tecnologias com o apoio da EsalqTec.

A parceria tem como objetivo desenvolver as tecnologias que colocarão o agronegócio no mundo da internet das coisas, apoiando-se no ecossistema de inovação aberta, com startups cujo DNA sejam o agronegócio. Vivo e Raízen vão selecionar novas startups para oferecer workshops aplicados ao agronegócio e a possibilidade de investimento nas startups por meio da estrutura da Telefonica Open Future, com a Wayra, aceleradora de startups da Vivo, e do Pulse, hub de inovação da Raízen.

                                                                          Foto: divulgação

“A verdadeira colaboração é a única maneira de trazer a realidade da internet das coisas para a vida real. A combinação da excelência em pesquisa acadêmica e aplicada da EsalqTec, a experiência, percepções e demandas da Raízen no setor, juntamente com os recursos avançados de tecnologia fornecidos pela Ericsson e pela Vivo, criará um ecossistema positivo de transformação digital para a agricultura”, diz o presidente da Ericsson no Brasil, Eduardo Ricotta.

As informações geradas pelos dispositivos IoT são captadas e transmitidas na faixa de 450 MHz, que proporciona uma cobertura mais ampla, comparada a outras frequências. De acordo com o presente da Vivo, Eduardo Navarro, o agronegócio, que já umas das atividades mais dinâmicas do país, será ainda mais produtivo com a adoção de novas tecnologias digitais: “Vamos trazer para o agronegócio aumento de produtividade, redução de custo operacional e otimização na alocação de equipes e maquinário”, afirma Navarro.

A Raízen será a responsável pelas atividades de desenvolvimento de tecnologias e produtos realizadas pelas startups participantes no projeto, fornecendo sua infraestrutura local, como o uso das torres de transmissão de sinais para o desenvolvimento de soluções aplicadas.

“Inovação está no DNA da Raízen. Acreditamos que é necessário não apenas acompanhar o desenvolvimento das novas tecnologias, mas liderar este movimento de adoção e adaptação de processos e práticas que não só colaboram para a otimização dos negócios, mas que contribuem para uma sociedade mais sustentável, capacitada e desenvolvida”, explica o vice-presidente do Centro de Serviços Compartilhados da Raízen, Fabio Mota.

A EsalqTec Incubadora Tecnológica complementará o papel dos demais membros do acordo através da colaboração das suas empresas residentes e associadas, pois já exerce um papel de facilitadora na integração com os demais elementos do ecossistema agrícola brasileiro, assegurando melhor conexão entre a pesquisa e as demandas reais do setor.

“O agronegócio tem papel essencial na economia brasileira, mas ainda enfrenta desafios para levar ao campo todo o potencial da tecnologia. Essa parceria ajudará a encurtar essa distância e viabilizar a implantação efetiva da agricultura 4.0”, completa o gerente-executivo da EsalqTec, Sergio Barbosa.

Link relacionado:

Conferência Novos Modelos de Negócios para o Setor Elétrico

Cabify adere ao Pacto Global da ONU
Enel vai expandir parque eólico no Brasil
Estudo mostra que leis sobre seguro ambiental precisam de aperfeiçoamento
Ford inicia produção de van elétrica para entrega StreetScooter