Finep avança acordo de 150 milhões de euros com banco alemão

A Empresa Brasileira de Inovação e Pesquisa (Finep) acaba de dar um passo decisivo para a liberação de recursos de até 150 milhões de euros, frutos de captação externa junto ao banco alemão Kreditanstalt für Wiederaufbau (KfW), instituição voltada ao financiamento de projetos de desenvolvimento e um dos agentes envolvidos na Cooperação Técnica Brasil-Alemanha para Desenvolvimento Sustentável. Na quarta-feira (6), a Comissão de Financiamentos Externos do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (COFIEX) deu a autorização do Governo Federal para que as negociações avancem, agora diretamente entre Finep e o KfW. Até o fim de junho, uma comitiva de quatro técnicos vindos da Alemanha se reunirá com a equipe da Finep na sede da empresa no Rio de Janeiro. 

Foto: divulgação

A negociação entre a Finep e KfW se insere em uma estratégia mais ampla da agência brasileira para captar recursos internacionais que amparem linhas de crédito em inovação e pesquisa no país. Trata-se de um processo complexo e que requer domínio de mecanismos sofisticados do sistema financeiro internacional, como, por exemplo, dispositivos de redução de riscos cambiais da operação. "É uma área que costuma apresentar uma grande variedade de mecanismos e conhecê-los bem pode significar uma expressiva redução de custos no financiamento", explica o coordenador de Captação em Organismos Internacionais, Dalmo Moreira Junior.

A linha de crédito de 1,5 bilhão de dólares que a agência negocia com o Banco Interamericano de Desenvolvimento se insere na mesma estratégia. O aporte, que atualmente aguarda aprovação na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, visa dar maior fôlego a projetos de inovação em sete setores cruciais para a economia brasileiras (indústrias química, de mineração, de biotecnologia, agropecuária, de tecnologia da informação, de metalurgia e mecânica e de saúde).

Calendário 2019
Solvay inaugura fábrica no Brasil e amplia participação na química sustentável
Mudanças do clima estão tornando os incêndios maiores, mais quentes e perigosos
Mulheres, inovação e protagonismo