Instalação de carregadores de veículos elétricos cresce no Brasil

Os veículos elétricos já são uma realidade próxima para os brasileiros. Um indicador disso é o crescimento da instalação de postos de recarga em locais comerciais e rodovias do país, implementados por iniciativas privadas.

Estas, por sua vez, estão se unindo de diversas formas, a fim de potencializar o crescimento do mercado de mobilidade elétrica. É o caso da Neosolar Energia e o Grupo Moura. Ambas acabam de fechar uma parceria na instalação de projetos relacionados à recarga de veículos elétricos.

Através da parceria, espera-se agilizar a oferta de pontos de abastecimento pelo país.
Foto: Página Sustentável

A partir de agora, a Neosolar, que atuou em mais de 100 novos pontos de recarga para veículos elétricos pelo país, contará também com a Rede especializada em baterias industriais da Moura como parceira para instalação dos seus projetos comercializados.

"Unindo nossas expertises, da NeoSolar com a parte técnica e comercial; e da Moura, com sua ampla cobertura para instalação, nos fortalecemos e colaboramos para que a sociedade se prepare mais rapidamente para receber os veículos elétricos, já que sabemos que infraestrutura é o segredo para que esse mercado se desenvolva”, diz o sócio diretor da Neosolar, Raphael Pintão.

A Moura oferece a seus clientes, de forma gratuita, um pacote completo e único no Brasil: de venda de baterias industriais originais de fábrica à logística reversa desses produtos, passando agora a atuar no novo front da implantação da infraestrutura para veículos elétricos.

A primeira estação instalada pelas empresas fica localizada na Reserva do Paiva, município pernambucano do Cabo de Santo Agostinho. Para os próximos meses, serão instaladas novas unidades em Pernambuco e também no Ceará.

"Escolhemos o caminho das parcerias estratégicas e da formação de uma equipe técnica qualificada. A parceria é fundamental para consolidar a Moura como preparada para oferecer as tecnologias mais avançadas para eletrificação veicular, estando presente em todas as formas de geração de energia para esse mercado promissor. Das baterias à infraestrutura de carregamento", ressalta o gerente geral da Rede, Carlos Pessoa.

Outros indicadores de crescimento, fora os projetos e grandes parcerias que vêm do setor privado, são os incentivos, como o Programa Rota 2030 do governo federal, que pretende fomentar a produção nacional e diminuir os custos de veículos movidos à eletricidade. Além do programa, a aprovação da resolução normativa 819/2018 da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que passa a administração de redes de carregamento para a iniciativa privada, possibilita o livre mercado e a concorrência, barateando o custo. Segundo estudo da consultoria americana Mckinsey, 30% da frota brasileira terá algum tipo de eletrificação até 2030.  

Coopermiti comemora a marca de 2,5 mil toneladas de lixo eletrônico reciclados em 10 anos
Relacionamento com comunidade indígena é um desafio, mas também oportunidade para construção de uma agenda positiva
Waste-to-Energy
São Paulo: 44% da bioeletricidade em 2018