Investidores pedem que grandes marcas aumentem suas metas climáticas

Investidores que administram mais de US$ 1 trilhão, coordenados pela ShareAction, pediram para empresas em todo o mundo que reduzam drasticamente o impacto de suas operações no planeta e protejam os ativos financeiros que gerenciam as mudanças climáticas.

O apelo foi feito por mais de 60 grandes acionistas, como Aegon Asset Management, Candriam Investors Group e Ethos Foundation, que desde o começo deste ano enviaram cartas aos executivos-chefes de grandes empresas (Netflix, The Walt Disney Company, Whirlpool, Intel, Samsung, para acitar algumas) e também para grandes emissores de carbono dos setores de geração de energia e cimento.

"O risco climático é agora visto como um risco mainstream para a estabilidade financeira de investidores e reguladores no mundo todo. É crucial que isso se traduza em pressão nos setores mais ricos em carbono", destaca Isabelle Cabie, Chefe Global de Desenvolvimento Responsável do Candriam Investors Group.

Os investidores do grupo Iniciativa de Descarbonização dos Investidores estão encorajando as empresas cujas ações eles detêm a estabelecerem metas ambiciosas baseadas na ciência para reduzir suas emissões de gases de efeito estufa, em linha com o Acordo de Paris sobre mudança climática, e a se comprometerem com uma energia mais limpa.

“Em geral, ainda existe uma lacuna entre o modo como as empresas identificam os riscos relacionados ao clima e como estão se preparando para enfrentá-los. Esperamos que essa abordagem para a definição de metas se torne a nova norma e que ela faça avançar a implementação do Acordo de Paris", destaca Emanuele Fanelli, Gerente de Investimentos Responsáveis ??da Aegon Asset Management. 

O apoio de investidores pode fornecer um incentivo adicional vital para empresas que reconhecem a necessidade de se preparar e participar da transição de baixo carbono. Os investidores querem manter empresas cujos modelos de negócios estejam alinhados com a economia de baixo carbono.