MG: iniciativa sustentável do Sebrae aumenta a competitividade das empresas

Cerca de 30% dos alimentos produzidos no mundo são descartados, o que representa aproximadamente 1,3 bilhões de toneladas de comida jogada no lixo todos os anos. Além da preocupação com o meio ambiente e com o posicionamento de consumidores cada vez mais conscientes, reduzir o desperdício virou sinônimo de aumento da lucratividade dos pequenos negócios do setor de alimentação de Belo Horizonte.

Desde junho de 2017, empresários de estabelecimentos comerciais, entre bares, restaurantes, lanchonetes e pizzarias conseguiram reduzir em média 10% do desperdício dos alimentos, gerando uma economia de aproximadamente R$ 1 mil por mês. Eles participam do Programa 5 Menos e que são Mais, promovido pelo Sebrae Minas, que trabalha com a redução de matéria-prima, água, energia, resíduos e poluição, competitividade, produtividade e qualidade ambiental.

Crédito/Foto: Divulgação

A consultoria é dividida em três fases. Na primeira, é realizado um diagnóstico para identificar os possíveis pontos de desperdício. Com o levantamento em mãos, o consultor elabora um prognóstico, que é entregue ao empresário, com todas as possibilidades de redução das perdas. Na segunda fase são feitas as medições – por exemplo, a quantidade de comida produzida, consumida e perdida – em um determinado período de tempo para comprovar os prejuízos apontados na fase inicial. Assim, seleciona-se o ponto mais crítico de desperdício. "Com o resultado da medição, o consultor elabora um plano de ação para reduzir ou eliminar os desperdícios, de modo a comparar o antes e depois", justifica o analista do Sebrae Minas, Renato Lana.

Na terceira e última fase, o consultor verifica se as iniciativas adotadas estão sendo aplicadas corretamente e se há o interesse em implantar outras mudanças visando o consumo consciente. "Trabalhamos dois pontos essenciais: a redução de custos, contribuindo para a competitividade no mercado e a sustentabilidade", destaca Lana.

Depois que a consultoria identificou os principais pontos de desperdício na Pizzaria Santa Pizza, no bairro Santa Teresa, o empresário Marcelo Dalariva implantou um processo de pré-pesagem dos ingredientes das pizzas. "Em uma semana, conseguimos reduzir o consumo de 10 barras de muçarela, em média 30 kg. Por mês isso significou 120 kg de queijo a menos sendo utilizado. Depois do programa conseguimos reduzir de 20% a 25% os custos na compra de insumos", explica Dalariva.

Já no restaurante Fonte Nova, localizado no bairro São Lucas, a solução encontrada foi controlar a comida do expositor. O empresário Saulo Santana foi orientado a reduzir o tamanho dos vasilhames após o horário de pico do almoço, diminuindo, assim, a quantidade de comida exposta. "O resultado foi significativo. Em um mês deixamos de jogar no lixo 45,9kg de sobras. Reduzimos a quantidade da comida exposta sem alterar a qualidade das refeições ", comemora Santana.

Para o empresário Teodoro Peluso, do Restaurante Fratelli d’Itália, no Santa Efigênia, a mudança veio na padronização das porções dos pratos de massas. "Trabalhávamos no ’olhômetro’. Depois do programa do Sebrae Minas adotamos medidores e balanças que ajudaram a padronizar a quantidade de um prato inteiro e da meia porção. Além disso, conscientizamos os funcionários sobre a importância de reduzir o desperdício de comida", destaca Peluso.