MG: iniciativa sustentável do Sebrae aumenta a competitividade das empresas

Cerca de 30% dos alimentos produzidos no mundo são descartados, o que representa aproximadamente 1,3 bilhões de toneladas de comida jogada no lixo todos os anos. Além da preocupação com o meio ambiente e com o posicionamento de consumidores cada vez mais conscientes, reduzir o desperdício virou sinônimo de aumento da lucratividade dos pequenos negócios do setor de alimentação de Belo Horizonte.

Desde junho de 2017, empresários de estabelecimentos comerciais, entre bares, restaurantes, lanchonetes e pizzarias conseguiram reduzir em média 10% do desperdício dos alimentos, gerando uma economia de aproximadamente R$ 1 mil por mês. Eles participam do Programa 5 Menos e que são Mais, promovido pelo Sebrae Minas, que trabalha com a redução de matéria-prima, água, energia, resíduos e poluição, competitividade, produtividade e qualidade ambiental.

Crédito/Foto: Divulgação

A consultoria é dividida em três fases. Na primeira, é realizado um diagnóstico para identificar os possíveis pontos de desperdício. Com o levantamento em mãos, o consultor elabora um prognóstico, que é entregue ao empresário, com todas as possibilidades de redução das perdas. Na segunda fase são feitas as medições – por exemplo, a quantidade de comida produzida, consumida e perdida – em um determinado período de tempo para comprovar os prejuízos apontados na fase inicial. Assim, seleciona-se o ponto mais crítico de desperdício. "Com o resultado da medição, o consultor elabora um plano de ação para reduzir ou eliminar os desperdícios, de modo a comparar o antes e depois", justifica o analista do Sebrae Minas, Renato Lana.

Na terceira e última fase, o consultor verifica se as iniciativas adotadas estão sendo aplicadas corretamente e se há o interesse em implantar outras mudanças visando o consumo consciente. "Trabalhamos dois pontos essenciais: a redução de custos, contribuindo para a competitividade no mercado e a sustentabilidade", destaca Lana.

Depois que a consultoria identificou os principais pontos de desperdício na Pizzaria Santa Pizza, no bairro Santa Teresa, o empresário Marcelo Dalariva implantou um processo de pré-pesagem dos ingredientes das pizzas. "Em uma semana, conseguimos reduzir o consumo de 10 barras de muçarela, em média 30 kg. Por mês isso significou 120 kg de queijo a menos sendo utilizado. Depois do programa conseguimos reduzir de 20% a 25% os custos na compra de insumos", explica Dalariva.

Já no restaurante Fonte Nova, localizado no bairro São Lucas, a solução encontrada foi controlar a comida do expositor. O empresário Saulo Santana foi orientado a reduzir o tamanho dos vasilhames após o horário de pico do almoço, diminuindo, assim, a quantidade de comida exposta. "O resultado foi significativo. Em um mês deixamos de jogar no lixo 45,9kg de sobras. Reduzimos a quantidade da comida exposta sem alterar a qualidade das refeições ", comemora Santana.

Para o empresário Teodoro Peluso, do Restaurante Fratelli d’Itália, no Santa Efigênia, a mudança veio na padronização das porções dos pratos de massas. "Trabalhávamos no ’olhômetro’. Depois do programa do Sebrae Minas adotamos medidores e balanças que ajudaram a padronizar a quantidade de um prato inteiro e da meia porção. Além disso, conscientizamos os funcionários sobre a importância de reduzir o desperdício de comida", destaca Peluso.

Cabify adere ao Pacto Global da ONU
Estudo mostra que leis sobre seguro ambiental precisam de aperfeiçoamento
Pirlimpimpim?
Ford inicia produção de van elétrica para entrega StreetScooter