Produção de etanol se destaca em julho

A quantidade de cana processada pelas unidades do Centro-Sul somou 44,88 milhões de toneladas na primeira quinzena de julho. O resultado é 6,50% inferior às 48 milhões de toneladas verificadas no mesmo período na safra 2017/2018, de acordo com o último levantamento divulgado pela União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica).

A produção de etanol aumentou 26,24%, totalizando 2,39 bilhões de litros, contra 1,89 bilhão fabricados em igual período do ciclo 2017/2018. No caso do biocombustível hidratado, o aumento foi ainda mais intenso: a produção atingiu 1,60 bilhão de litros, a maior da série histórica. Esse resultado representa um crescimento de 52,71% em relação ao mesmo período de 2017.

Foto: divulgação

No acumulado desde o início da safra até 16 de julho, o volume de etanol alcançou 13,45 bilhões de litros, sendo 4,08 bilhões de litros de anidro e 9,37 bilhões de litros de hidratado.

“Caso não tivesse ocorrido mudança no mix das usinas, a produção acumulada de açúcar já teria superado 15 milhões de toneladas. A retração de 57,40 kg de açúcar por tonelada de cana processada verificada em 2017/2018 para 45,39 kg nessa safra, permitiu uma redução próxima a 3,2 milhões de toneladas na fabricação do produto até o momento”, observa o diretor Técnico da Unica, Antonio de Padua Rodrigues.

Nos primeiros quinze dias de julho deste ano, a produção de etanol de milho totalizou 24,68 milhões de litros. Desde o início da safra até 16 de julho foram fabricados 187,80 milhões de litros, registrando incremento de 163% em relação ao volume produzido em igual período do ano passado.

Vendas de etanol

O volume total de etanol comercializado pelas unidades do Centro-Sul somou 1,20 bilhão de litros nos primeiros quinze dias de julho, crescimento de 16,68% em relação à mesma quinzena do ano anterior (1,03 bilhões de litros), sendo 91,55 milhões destinados à exportação e 1,11 bilhão ao mercado doméstico.

Esse crescimento deve-se, mais uma vez, à expansão das vendas do hidratado no mercado doméstico, as quais alcançaram 767,48 milhões de litros na primeira metade de julho. Esse volume representa um expressivo aumento de 39,46% sobre o valor registrado em igual período de 2017 (550,31 milhões de litros).

A exemplo das semanas anteriores, esse resultado positivo das vendas retrata a maior competividade do biocombustível nos postos. Dados da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) compilados pela Unica mostram que em seis estados (São Paulo, Paraná, Minas Gerais, Mato Grosso, Goiás e Rio de Janeiro), abastecer com etanol é economicamente vantajoso em comparação à gasolina. Estes estados agregam cerca de 65% da frota nacional de veículos leves.

Com base no levantamento de preços realizado pela ANP (entre 15 a 21 de julho), o hidratado atingiu uma paridade média de 59,9% em São Paulo, o que representa o índice mais competitivo nos últimos oito anos.

Como consequência, as vendas acumuladas de etanol pelas usinas desde o início da safra 2018/2019 até 16 de julho, já atingiram 7,74 bilhões de litros, com 351,57 milhões de litros exportados e 7,38 bilhões de litros comercializados domesticamente – crescimento acumulado de 12,45% na comparação ao ciclo 2017/2018.