Raízen e WX criam joint venture para comercialização de energia elétrica

A Raízen firmou parceria com a WX Energy com a criação de uma joint venture para fortalecer a sua atuação no mercado livre de energia e ampliar os negócios da companhia. A união entre as duas empresas vai somar robustez financeira e base sólida de clientes à expertise no trading do mercado livre. Juntas, as duas companhias consolidam um modelo que permitirá a criação de soluções integradas e customizadas para os diferentes perfis de clientes no setor, acelerando a curva de crescimento e contribuindo para a competitividade de um mercado em ascensão.

A Joint Venture terá participação majoritária da Raízen e a operação da empresa continua a cargo da equipe da WX. A Raízen terá uma melhor opção para distribuição de sua energia excedente, em especial a geração de energia incentivada.

                                                                              Foto: Johannes Plenio

“É uma forma de nos aproximarmos ainda mais de nossos clientes, porque evoluímos de geradores para comercializadores, atuando de forma direta e competitiva no mercado de energia elétrica, agregando ao nosso portfólio e aumentando nossa oferta de soluções energéticas integradas”, explica o vice-presidente de Etanol, Açúcar e Bioenergia, João Alberto Abreu.

O mercado livre já representa 28% da energia elétrica comercializada no Brasil e deve dobrar de tamanho nos próximos anos. De acordo com o relatório Energy Outlook, publicado em julho de 2017, o setor deve receber 26 bilhões de dólares em investimentos no Brasil até 2040. Junto com a geração eólica e solar, a biomassa deve ser um dos tipos de energia que mais vai se desenvolver nos próximos anos. Atualmente, o volume de bioeletricidade gerado pela Raízen é suficiente para abastecer uma cidade com até 10 milhões de habitantes.

“Apostamos no crescimento do mercado livre. O momento demanda a ampliação da capacidade de fazer negócios. Vamos desenhar produtos aliando solidez financeira à expertise técnica”, disse o sócio da WX Energy, Luiz Henrique Macêdo. 

Link relacionado:

Novos Modelos de Negócios para o Setor Elétrico

 

 

 

Cabify adere ao Pacto Global da ONU
Estudo mostra que leis sobre seguro ambiental precisam de aperfeiçoamento
Pirlimpimpim?
Enel vai expandir parque eólico no Brasil