Retrofit de planta de osmose reversa reduz em 38% custos de energia

Localizada na costa oeste do Havaí, uma comunidade de golfe planejava diminuir o consumo de energia de sua planta de osmose reversa, além de reduzir as emissões de CO2 e poupar os custos de energia da comunidade local. A comunidade recorreu a Water Works, especialista em purificação de água de São Diego, na Califórnia. A empresa escolheu a tecnologia APP da Danfoss para substituir uma bomba centrífuga antiga e entregar um rápido retorno sobre o investimento. O desafio do projeto eram os custos elevados de eletricidade e uma bomba existente ineficiente.

Assim como em muitas outras comunidades insulares, o preço da eletricidade no Havaí é alto. Embora energias sustentáveis estejam em crescimento, serviços públicos locais ainda dependem fortemente do óleo importado para os geradores de energia. O combustível representa cerca de metade de uma típica conta de eletricidade - um custo significativo para produtores de água em osmose reversa.

Foto: divulgação

Os gestores da comunidade estavam interessados na solução disponível tanto para reduzir as contas de energia como as pegadas de carbono. Localizada na exclusiva Costa de Kona-Kohala, a comunidade celebra os tradicionais valores e designs e se dedica a preservação do meio ambiente. Reduzindo o consumo de energia do sistema de irrigação dos campos de golfe, os gestores podem economizar com despesas desnecessárias e, ao mesmo tempo, reduzir as emissões de carbono da comunidade.

Anteriormente, a comunidade dependia das bombas centrífugas implantadas em quatro conjuntos paralelos para filtrar água salobra do subsolo dos poços, todos com dispositivos de recuperação de energia (ERDs).

“Dependendo da estação, a planta de quatro conjuntos geralmente trabalha de 50% a 75% de sua capacidade. Decidimos instalar duas APPs para 26 bombas – cada uma com 25 HP, num total de 50 HP – em um dos conjuntos para substituir uma das mais antigas bombas centrífugas de 75 HP”, disse o engenheiro líder do projeto da Water Works, Mark Maki.

O retrofit entrou em operação no final de maio de 2017 e vem funcionando praticamente sem parar desde então. Os resultados são queda de 38% no consumo de energia e um rápido retorno de investimento. O custo total da propriedade é um parâmetro-chave para a Water Works, cujos gestores calculam um tempo de retorno de apenas 18 meses para o primeiro retrofit. 

“O conjunto dirigido pelo APP tornou-se o carro-chefe de toda a planta. Com a economia de energia de 38%, a comunidade está rodando perto de 24/7 para reduzir o uso dos três conjuntos centrífugos e maximizar a economia de custo e a redução da emissão de CO2. O retorno do investimento para esse retrofit é rápido, em torno de 18 meses. O segundo retrofit está previsto para um futuro próximo", conclui Maki.