Setor florestal reduz em 75% o consumo de água

A água é um dos temas mais relevantes da atualidade e as formas de conservação dos recursos hídricos tem gerado grandes debates. No Fórum Econômico Mundial 2018, foi apontado que o risco desta crise hídrica está no mesmo patamar do terrorismo. Nesta semana, o Brasil sedia o 8º Fórum Mundial da Água, tornando o país o centro das discussões.

O setor de árvores plantadas vem, desde a década de 1980, desenvolvendo estudos e pesquisas, o que diminuiu em 75% o uso da água pela indústria de base florestal nas últimas décadas. São quase 60 microbacias monitoradas pelas companhias do setor, o que permite entender as condições hídricas de cada região identificando quantidade e qualidade dos recursos disponíveis.

Elizabeth de Carvalhaes, Presidente Executiva da Ibá.
Crédito/Foto: Divulgação

De maneira simples e objetiva, o novo infográfico da Ibá resgata este histórico e explica como as árvores plantadas, quando bem manejadas, auxiliam no fluxo hidrológico da mesma maneira que as árvores naturais. Tudo isto está contado com números que demonstram como o setor tem se preparado e investido para conservar a água.

A indústria de celulose, por exemplo, mantém no produto final apenas 0,1 m³ por tonelada, dos 30m³ que são captados para fabricação. Deste total, 24 m³ são tratados e devolvidos aos rios e 5,9 m³ devolvidos à natureza em forma de vapor.

"O setor florestal trabalha de maneira muito eficiente na questão hídrica. Temos dados e estudos que comprovam o comprometimento desta indústria com a utilização eficiente de da água. Neste infográfico, tentamos traduzir tudo isto de maneira didática não somente com o objetivo de demonstrar nossos avanços, mas para incentivar cada um a fazer sua parte: setor privado, setor público e sociedade. A indústria de base florestal é a mais sustentável do mundo", afirma Elizabeth de Carvalhaes, Presidente Executiva da Ibá.

As plantações florestais comerciais ocupam 7,84 milhões de hectares, incluindo eucalipto, pinus e demais espécies (acácia, araucária, paricá e teca). O setor conserva 5,6 milhões de hectares de áreas naturais na forma de Áreas de Preservação Permanente (APPs), Reserva Legal (RL) e Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNs). Além disso, recuperou, em 2016, cerca de 45 mil hectares de áreas degradadas. Assim, para cada 1 hectare de florestas plantadas, protege-se 0,7 hectare de área natural.