Transporte marítimo vai ser descarbonizado até 2035

A implantação de todas as tecnologias atualmente conhecidas poderia permitir a quase completa descarbonização do transporte marítimo até 2035, de acordo com um novo relatório publicado pelo Fórum Internacional de Transporte (ITF) da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Quatro diferentes caminhos de descarbonização examinados pelo estudo reduziriam as emissões de CO2 dos navios internacionais entre 82% e 95% abaixo do nível atualmente projetado para 2035. Essa redução é igual às emissões anuais de 185 usinas termoelétricas a carvão.

Combustíveis alternativos e energia renovável podem fornecer muitas das reduções necessárias. Os biocombustíveis atualmente disponíveis devem ser complementados por outros combustíveis naturais ou sintéticos, como metanol, amônia e hidrogênio. Assistência da energia eólica e a propulsão elétrica mostraram que podem trazer reduções adicionais.

O relatório recomenda estabelecer uma meta clara e ambiciosa de redução de emissões para impulsionar a descarbonização do transporte marítimo; apoiar a realização de metas de redução de emissões com um conjunto abrangente de medidas políticas; e fornecer incentivos financeiros inteligentes para promover a descarbonização da navegação marítima.

"A certeza sobre o caminho de descarbonização desejável para o transporte ajudará a impulsionar a mudança", disse o especialista em portos e navegação da ITF, Olaf Merk. "A orientação clara dos governos é, portanto, essencial para acelerar a transição para o transporte de carbono zero".

Acesse o relatório "Descarbonizando o Transporte Marítimo: caminhos para o transporte de carbono zero" aqui

Cabify adere ao Pacto Global da ONU
Pirlimpimpim?
Enel vai expandir parque eólico no Brasil
Estudo mostra que leis sobre seguro ambiental precisam de aperfeiçoamento