Agricultura climate-smart atrai interesse de investidores estrangeiros

Os números ainda são tímidos, mas não param de crescer: a agricultura climate-smart, ou seja, que está alinhada com os desafios das mudanças climáticas, atrai cada vez mais investidores de impacto estrangeiros.  Essa é a principal conclusão do estudo sobre Investimento de Impacto em Agricultura Climate Smart, coordenado pela Alimi Impact Ventures, que mapeou os agentes e instrumentos de financiamento e identificou vários cases de sucesso no Brasil.  O estudo contou com o apoio da Fundação Rabobank como parte do programa Kickstart Food desenvolvido em parceria com a UN Enrvironment, pelo qual pretendem alocar US$ 1 bilhão em agricultura climate-smart em diversos países, entre eles Brasil.

O estudo focou em práticas agrícolas que favorecem o clima, desconsiderando investimentos em tecnologias neutras, como drones e softwares, que podem ou não ser usados em práticas climate-smart.  Entre 2015 e 2017, o capital total investido na agricultura inteligente em relação ao clima somou US$ 360,9 milhões, mas essa cifra pode ser apenas a ponta do iceberg - a estimativa é que esse valor já tenha ultrapassado a marca de US$ 1 bilhão.

Foto: Página Sustentável

Embora respondam por apenas 11% do capital total investido na agricultura climate-smart, os investidores privados - basicamente investidores de impacto que buscam conciliar retorno financeiro e benefícios socioambientais - estão cada vez mais interessados no Brasil.  De 2014 a 2015, a agricultura recebeu o maior volume de capital de investidores de impacto no Brasil, com um total de US$ 31,4 milhões de capital investido.  O estudo mostra que uma parcela significativa dos investidores privados espera retorno de 12%, que é uma taxa bastante interessante para investidores internacionais.

No entanto, ainda existe uma lacuna entre investidores interessados em projetos climate- smart, sejam eles púbicos ou privados, e os empreendedores nesse tema. 

"Para o investidor, seja ele de impacto ou de um organismo público, a chave que destrava a equação da agricultura climate-smart é focar na cadeia de valor, e não no negócio individualmente. Por isso, é importante analisar o mercado como um todo - por exemplo, checar se tem grandes players com capilaridade para puxar os pequenos, ou se há proximidade entre produtores e distribuidores", explica a líder da pesquisa, Angélica Rotondaro. 

Além da possibilidade de ter acesso a financiamentos internacionais, a agricultura climate-smart permite que os produtores brasileiros se alinhem ao crescente mercado de produtos sustentáveis e rastreáveis.  "Junto com o risco climático, mitiga-se também o risco das cadeias produtivas, demonstrado exemplarmente nos últimos eventos com a pecuária brasileira. Com a crescente dependência de mercados internacionais, o agribusiness brasileiro precisa enfrentar os riscos ambientais, que estão no topo da agenda dos consumidores e também dos investidores", alerta Angélica.

Outra constatação do estudo é o potencial de criação de novos mercados da agricultura climate-smart, o que dá aos investidores a vantagem do pioneirismo.  Os riscos financeiros iniciais são amortizados pelo fato de que ainda há grande participação de financiamentos não reembolsáveis vindos de ONGs, fundações e doadores privados.

Um caso exemplar é o da Sambazon, criada há 18 anos, quando o açaí não era conhecido globalmente. Investidores internacionais contaram com o apoio do Fundo EcoEnterprises, constituído sob o guarda-chuva da The Nature Conservancy, para o capital inicial que permitiu viabilizar um negócio que hoje detém a liderança global de um mercado estimado em 300 mil toneladas e que deverá chegar a 800 mil em 2026.

O estudo mostrou ainda que o financiamento alinhado aos desafios das mudanças climáticas muitas vezes tem como alvo pequenos e médios produtores, gerando benefícios sociais - além dos econômicos e ambientais.  Esse é o caso, por exemplo, do Pronaf (Programa Governamental de Apoio à Agricultura Familiar), que tem três linhas de financiamento alinhadas com o desafio climático que somaram US$ 53,4 milhões em empréstimos de 2015 a 2017.  O Fundo Amazônia, por sua vez, engajou 142 mil pessoas e gerou US$ 50,6 milhões em receitas para a população do bioma Amazônia desde seu lançamento, em 2008.

As perspectivas são otimistas também para os grandes players do agribusiness. O mercado brasileiro é considerado um dos lugares mais promissores para os títulos verdes florestais e agrícolas. De fato, há um boom de títulos verdes no território brasileiro, com um valor total de títulos verdes vendidos de US $ 3,6 bilhões no período entre junho de 2015 e setembro de 2017. Atualmente, 24% (US $ 864 milhões) dos títulos verdes no Brasil são usados para levantar capital no setor florestal e agrícola. Grandes corporações, como BRF SA, Fibria, Klabin e Suzano Papel e Celulose, são os principais players.  No caso do GEF (Global Environment Facility), que disponibiliza fundos para os países em desenvolvimento, a fim de realizar convenções ambientais e alcançar as metas dos acordos internacionais, o Brasil só conseguiu alocar US$ 99,9 milhões dos US$ 837,8 milhões destinados ao nosso país para apoiar projetos relacionados com degradação da terra, biodiversidade e mudanças climáticas.

"Por meio do programa Kickstart Food, vamos incentivar os pequenos agricultores a usar métodos agrícolas sustentáveis, fornecendo-lhes o conhecimento necessário, facilitando e financiando essas possibilidades. Este é apenas o começo. Porque nós vamos fazer mais. Essa pesquisa de mercado nos dá uma ideia do que podemos fazer ainda mais no Brasil com a Kickstart Food", destaca a gerente de programas da Raboband Foundation e responsável pela iniciativa Kickstart Food no Brasil, Eva Teekens.

Votorantim Cimentos aprimora matriz energética com resíduos urbanos
Lixões liberam 6 milhões de toneladas de gases de efeito estufa ao ano
Abetre apresenta cartilha com alternativas para gerenciamento de resíduos
Vendas explosivas da Tesla na Noruega fazem Mercedes viver seu momento Kodak