AmazonBai recebe certificação para serviços ecossistêmicos do Brasil

A Cooperativa dos Produtores Agroextrativistas do Bailique (AmazonBai), arquipélago a 160 quilômetros de Macapá, conquista mais uma etapa no desenvolvimento sustentável da região. Além de ter o único açaizal certificado e a primeira certificação de cadeia de custódia para o produto açaí do mundo, alcança agora um novo patamar com a certificação FSC para manutenção dos estoques de carbono e proteção à biodiversidade.

“Hoje temos o primeiro manejo de açaí certificado FSC do mundo; e a certificação de serviços ecossistêmicos vai ajudar muito a dar maior visibilidade. Além disso, nosso objetivo aqui é ter a certeza de que a gente, da forma como estamos cuidando dos nossos manejos e florestas, está realmente contribuindo para a manutenção da biodiversidade”, diz a presidente da Associação das Comunidades Tradicionais do Bailique (ACTB), Geová Alves.

Foto: Divulgação

Basicamente, os serviços ecossistêmicos são benefícios que obtemos da natureza, direta ou indiretamente. Vão desde a purificação do ar e da água, sequestro de carbono e manutenção do solo fértil até a mitigação de fenômenos climáticos mais impactantes à sociedade e economia. “Manejadores de áreas florestais que fazem o uso correto do solo, dos recursos hídricos e preservam a biodiversidade devem ser recompensados e reconhecidos por isso, criando assim uma relação de incentivo econômico à conservação desses valiosos recursos”, explica a diretora executiva do FSC Brasil, Aline Tristão Bernardes.

O Procedimento de Serviços Ecossistêmicos do FSC entrou em vigor no final de 2018 e tem como principal objetivo fornecer aos proprietários florestais, sejam eles pequenos produtores e comunidades ou grandes empresas, ferramentas para medir, verificar e comunicar seus impactos positivos.

Desde 2016, quando obteve a certificação do FSC para o manejo florestal, a produção de açaí do Bailique vem ganhando força no mercado nacional e internacional. Além de tirar os atravessadores das suas negociações e ter exportado pela primeira vez em 2017, a cooperativa conseguiu, no ano passado, montar um entreposto e a Casa do Açaí, o que permitiu a eles vender o fruto in natura e a polpa certificada.

Agora, os produtores vão além e recebem a primeira certificação FSC para serviços ecossistêmicos do Brasil. Aline esclarece que o novo Procedimento irá aumentar a confiança dos governos, investidores, compradores e empresas e “com essa conquista, a comunidade agrega valor à sua imagem e aos seus produtos, tendo acesso mais fácil à investimentos e subsídios.”

Este processo foi apoiado pela Cooperação Brasil Alemanha para o Desenvolvimento Sustentável, por meio da parceria entre o Ministério do Meio Ambiente (MMA) e a Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH. A implementação foi feita no âmbito do Projeto Ação do Setor Privado para a Biodiversidade, como parte da Iniciativa Internacional para o Clima (IKI, sigla em alemão). O Ministério Federal do Meio Ambiente, Proteção da Natureza e Segurança Nuclear (BMU) apoia esta iniciativa com base numa decisão adotada pelo Bundestag.

Junia Karst, do Imaflora, também ressalta que a produção de açaí tem como pilar o fortalecimento da economia comunitária inclusiva, em que parte das vendas é revertida à Escola Família Agroextrativistas do Bailique - EFAB: “Reconhecer os serviços prestados pela aplicação das boas práticas de manejo é um grande passo para dar ainda mais valor a esse processo, que garante um produto livre de passivos socioambientais.”

O manejo dos açaizais assegura a manutenção da cobertura florestal e assim, por consequência, a conservação dos estoques de carbono e a preservação da diversidade de espécies. Assim, a valorização do açaí do Bailique tem um papel fundamental na geração de importantes serviços ecossistêmicos, enquanto que a certificação FSC contribui para que estes benefícios sejam ampliados e mantidos em definitivo.

TAGS :
Bike Itaú incentiva economia de CO2 na semana da mobilidade
Empreendedores investem em placas fotovoltaicas para reduzir custos com energia elétrica
Veracel usa bagaço de cana como alternativa para gerar energia
Renner utiliza energia solar para abastecimento de lojas