ANA e IGAM monitoram qualidade do rio Paraopeba

A qualidade da água do rio Paraopeba foi tema de destaque durante a reunião sobre o rompimento da barragem I, Córrego do Feijão, Brumadinho (MG), realizada na tarde do último domingo (27), na sede da Agência Nacional de Águas (ANA), em Brasília (DF). No encontro, o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, afirmou que será criado um grupo para discutir mudanças na Política Nacional de Segurança de Barragens (PNSB), instituída em 2010.

Foto: Divulgação

No curso d’água implementarão plano especial de monitoramento da qualidade da água em 47 pontos, onde serão coletadas amostras para análise física e química, que serão avaliados conjuntamente com a ANA e o Instituto Mineiro de Gestão das Águas (IGAM). Segundo Canuto, a previsão para os resultados preliminares é até a próxima quarta-feira, 30 de janeiro. O ministro ainda não sabe se os rejeitos de mineração chegarão à Hidrelétrica de Três Marias, no rio São Francisco. 

De acordo com o Serviço Geológico do Brasil (CPRM), o avanço da onda de rejeitos está acontecendo com uma velocidade abaixo de 1km/h e poderá chegar ao reservatório da Usina Hidrelétrica de Retiro Baixo entre 1º e 5 de fevereiro. 

“A questão da fiscalização e a possibilidade de evitar futuros desastres é de todos nós: privado, estadual e federal. Temos que ouvir os melhores especialistas, rever o marco regulatório e melhorar essa situação para evitar que futuros desastres aconteçam”, disse Canuto.

Link relacionado

Relatório de Segurança de Barragens (RSB)

 

Aeroporto Salvador Bahia pretende economizar 2 milhões de m³ com sistema de reuso
FSC reforça a importância das florestas para o desenvolvimento sustentável
Energia solar fotovoltaica ocupa sétima posição na matriz elétrica brasileira e ultrapassa nuclear
Setor sucroenergético impulsiona economia e preservação do meio ambiente no Triângulo Mineiro