CCEE aponta sobra de oferta de energia incentivada em 2019

A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) divulga a sexta edição do estudo sobre a disponibilidade de lastro de energia incentivada no Ambiente de Contratação Livre (ACL). O levantamento aponta sobra real de 215 megawatts médios para 2019, sinalizando excedente de oferta para o atendimento da demanda dos chamados consumidores especiais - unidades consumidoras de energia elétrica no mercado livre que possuem cargas igual ou maior a 500 kilowatts (kW).

Foto: Página Sustentável

Dentre os fatores que impulsionam a disponibilidade de energia renovável no ACL estão liberações de lastros das operações do Mecanismo de Venda de Excedentes (MVE) e também a substituição de montantes de energia especial por convencional pelos consumidores especiais que se tornaram livres.

O estudo considera o montante de 447 MW de energia incentivada em contratos com duração de três, cinco e 11 meses que foram liberados nas primeiras rodadas do MVE a partir de fevereiro deste ano.

Potencial

Para 2019, o levantamento aponta potencial de 1.760 MW de energia limpa a ser liberada com a mudança de categoria de consumidores especiais para livres. O volume de energia renovável no ACL deverá ser ainda maior considerando novos montantes que serão liberados por meio dos demais processamentos do MVE que estão previstos para abril, julho e outubro.

Estes resultados demonstram um cenário favorável às migrações de consumidores para o mercado livre em relação a disponibilidade de oferta do lastro de energia incentivada. No entanto, os agentes deverão averiguar outros fatores como o Preço de Liquidação de Diferenças (PLD) e a tarifa do mercado regulado para tomar uma decisão sobre a compra de energia renovável no ACL.

“O estudo de energia incentivada reforça o papel da CCEE como provedora de informações qualificadas ao mercado, garantindo aos agentes os elementos necessários para tomada de decisão com responsabilidade e segurança”, diz o gerente executivo de Monitoramento, Gestão de Penalidades & Informações, Carlos Dornellas, ao destacar o MVE como peça-chave para o equilíbrio da oferta e demanda da energia incentivada no ACL.

As perspectivas são favoráveis para o próximo ano considerando que existem ainda 445 unidades cujo potencial é de liberação de 435 MWmédios a partir de janeiro de 2020, caso os consumidores especiais exerçam os direitos a eles concedidos, de opção de fornecedor de energia elétrica convencional.

“O equilíbrio no balanço de energia incentivada foi atingido em 2019 e também deverá ocorrer em 2020 devido ao grande potencial de liberação existente”, completa Dornellas.

Confira o estudo completo aqui.

Relacionamento com comunidade indígena é um desafio, mas também oportunidade para construção de uma agenda positiva
Coopermiti comemora a marca de 2,5 mil toneladas de lixo eletrônico reciclados em 10 anos
São Paulo: 44% da bioeletricidade em 2018
Temperaturas de março no Alasca alcançam 20°F a mais do que o usual