Cervejaria aposta em madeira de reflorestamento para unir design e sustentabilidade

A escolha de soluções que harmonizam opções estético-funcionais e preservação do meio ambiente tem cada vez mais colocado a madeira de reflorestamento como protagonista de projetos arquitetônicos. É o que comprova a Cervejaria Dus Grillo, de Vargem Alta (ES), que fez questão de pensar na ecoeficiência como aliada do seu método construtivo.

A cervejaria, em fase de construção, fica no Sítio Alto Ouro, em uma área cercada pela natureza. Como áreas periféricas à construção principal, a ideia foi construir pergolados, uma passarela e um parque infantil que se integrassem ao cenário bucólico.


A passarela da Cervejaria Dus Grillo foi construída com Amaru. A madeira de reflorestamento assegura durabilidade e resistência e é indicada para construção de casas, pergolados, estruturas de telhado, brinquedos para playground, quiosques, cercas, galpões, móveis, entre outros.

“Achamos que a madeira de reflorestamento seria ideal para o local. A Cervejaria Dus Grillo preza a valorização da natureza existente ao seu redor, preocupando-se sempre com o meio ambiente. Além disso, a utilização da madeira trouxe um ar rústico, deixando o local bem charmoso”, afirmou o proprietário da cervejaria, José Luiz Grillo.

Para isso, foi escolhido o Sistema Construtivo Amaru Perfilado com Acabamento em Osmocolor, parceria entre a Montana Química e a Plantar Empreendimentos e Produtos Florestais. O método de construção é sustentável de ponta a ponta, da preparação das mudas das árvores para o plantio até o acabamento final, que é realizado com o produto Osmocolor Stain Preservativo.

“No passado, a madeira nativa foi explorada para finalidades diversas até a sua escassez. Hoje, o setor da construção civil retoma o uso da madeira com fundamentação irreversível e inequívoca: o viés da sustentabilidade. A madeira é um produto 100% renovável, o único material construtivo capaz de armazenar carbono em sua composição, evitando liberação de gás de efeito estufa para a atmosfera, além de demandar baixo consumo de energia na cadeia produtiva em relação a outros materiais, como alumínio, aço e concreto”, afirma a arquiteta integrante da equipe técnica Plantar-Montana, Elaudia Dan. 

Instalação

A Bella Casa, responsável pela instalação dos pergolados, passarela e parquinho, levou apenas uma semana para deixar pronto cada estrutura, segundo o arquiteto Rodrigo Queiroz Cabral, também da equipe Plantar-Montana. “Os elementos vão pré-fabricados para a obra: pilares com encaixes para receber vigas, cortados no tamanho correto. No local é feita apenas a montagem, o que também reflete uma questão ambiental: menor gasto de tempo, de energia e de trabalho na limpeza da área.”

Os arquitetos apontam outra vantagem sustentável decorrente desse método construtivo: o aproveitamento de resíduos de madeira. “As peças são comercializadas com diâmetros e comprimentos constantes. Mas, quando há sobras, é possível reaproveitá-las. Para a cervejaria, foram confeccionados elementos como luminárias, floreiras e lixeiras, que, além de agregarem valor paisagístico ao empreendimento, evitam custos adicionais com aquisições externas”, afirma Elaudia.

 

 

Siemens impulsiona transição energética no Brasil
NeoSolar e Schneider Electric firmam parceria para fomentar eletromobilidade no Brasil
Inmetro disponibiliza serviço de calibração para fonte eólica
ICMS Ecológico pode ser fonte de renda e financiador de sistema de proteção ambiental nas cidades da Mata Atlântica