Claro recicla mais de 142 toneladas de eletrônicos

A Claro comemora a marca de 142 toneladas do total de materiais recolhidos, por meio do Claro Recicla, no ano em que o programa completa uma década de existência. Ativo desde março de 2008, o projeto já recolheu mais de 116 mil celulares fora de uso.

Foto: divulgação

A empresa tem promovido ações, como a recente iniciativa envolvendo o programa de fidelidade da operadora, Claro Clube, destinado a clientes pós-pagos. No projeto, os usuários podem depositar celulares, baterias recarregáveis, chips e acessórios obsoletos ou fora de uso nos pontos de coleta, que podem ser encontrados em diversas lojas da Claro em todo o Brasil e ganhar até mil pontos para trocar por produtos. As urnas coletoras estão disponíveis para qualquer pessoa, não só clientes, e recebem materiais como celulares e acessórios de todos os fabricantes.

“A Claro tem uma forte preocupação com o destino final de aparelhos eletrônicos descartados e, por isso, trabalha em ações que incentivam a reciclagem desses objetos e que reforcem a consciência ambiental da população. Faz parte do nosso compromisso fomentar a política da logística reversa e contribuir com a sustentabilidade do setor”, disse a vice-presidente de Projetos do Instituto Net Claro Embratel, Daniely Gomiero.

O controle dos itens coletados no Claro Recicla é realizado através de relatórios. O conteúdo depositado nas urnas, de todo o Brasil, é recolhido regularmente e encaminhado para triagem. Por fim, são enviados para diversas indústrias recicladoras.

No caso dos celulares e chips coletados, eles podem ser reaproveitados e têm como destino, por exemplo, o mercado de luxo, que transforma o produto reciclado em joias ou, até mesmo, em itens para a casa. As pilhas e baterias são direcionadas para aterros como resíduo industrial controlado. Outros itens descartados vão para indústrias que podem reaproveitar o cobre e o plástico dos materiais para a criação de outros produtos.

Tequaly passa a operar com sistema de saneamento básico em todo Brasil
Baterias residenciais formam rede de armazenamento na Alemanha
Nove mil anos em doze
Romênia propõe avanço modesto das renováveis