Construtora Trisul investe em reuso de água

Fazer uma boa gestão da água é um dos principais desafios da sustentabilidade. O reuso de águas cinzas, aquela proveniente de chuveiros, torneiras de banheiros e máquinas de lavar, é uma alternativa da Construtora Trisul em seu empreendimento Place Madalena. Além dessa iniciativa, os empreendimentos mais recentes de médio e alto padrão possuem certificação Aqua, que garante sustentabilidade em atividades como o reuso de água para as áreas comuns; coleta seletiva e placa solar, para citar alguns exemplos.

De acordo com o superintendente de Marketing da Construtora Trisul, Lucas Araujo, a iniciativa leva a uma economia de aproximadamente 6.650.000 litros/ano de água, já para o bolso o racionamento no empreendimento deve chegar cerca de R$ 135.600,00/ano.

Foto: divulgação

Segundo Robson Artélite dos Santos, gerente de Obras da Construtora Trisul e responsável pela operação no Expande Vila Mariana, o empreendimento trabalha com soluções e elementos sustentáveis desde a sua concepção. "É importante que a sustentabilidade esteja dentro do projeto desde o início, evitando, assim, problemas de compatibilizações na execução da obra. O reuso de águas cinzas é uma das práticas que trarão resultados positivos para os futuros moradores do empreendimento da Trisul", conta.

A principal estratégia de sustentabilidade do Place Madalena é o sistema de reaproveitamento das águas cinzas nas bacias sanitárias dos apartamentos. Segundo Robson, a água proveniente de chuveiros e lavatórios de 50% dos apartamentos passará por tratamento e será destinada ao reúso, enquanto a água cinza dos outros 50% será descartada diretamente na rede de esgoto", explica. O empreendimento possui o total de 128 apartamentos, portanto 64 unidades abastecem o sistema de águas cinzas.

Com a implantação deste sistema, o Place prevê o tratamento de cerca de 7.920.000 litros de água cinza por ano. Geralmente, o consumo da bacia sanitária é de 6 litros por descarga. Levando em conta que cada um de quatro moradores de um apartamento dão, em média, seis descargas por dia, o consumo da bacia sanitária é de 144 litros por dia – equivalente a 36 litros por pessoa. Ao fazer a conta por mês e por ano, são 4.320 litros/mês e 51.840 litros/ano por apartamento. No total, as 128 unidades do condomínio consomem 6.635.520 litros/ano de água apenas com o uso da bacia sanitária.

As tecnologias instaladas no Place Madalena ficam no subsolo do empreendimento. As águas cinzas que serão destinadas para o reuso passam por um tratamento de ultrafiltração que, de acordo com Robson, nada mais é do que um filtro de 200 micra que tem a capacidade de reter partículas e sólidos suspensos. Nesta primeira etapa é possível produzir até 1.600 litros/hora de água. O próximo passo é a osmose reversa, que se trata de um filtro muito mais fino de 30 micra – o qual produz até 1.100 litros/hora de água tratada para reuso.

É nesta segunda etapa que o tratamento vai eliminar os nutrientes que não são vistos a olhos nus. Para entender a precisão do tratamento, cada micron – singular de micra – equivale à milésima parte de um milímetro, ou seja, 0,001 milímetro. Dessa forma, as partículas sólidas maiores que 30 micra serão retidas no segundo refinamento – para se ter uma noção, um grão de areia tem em média de 200 a 500 micra, o que o torna facilmente retido pelo filtro.

"Após a finalização da água tratada, ela recebe uma quantidade de cloro para conservação e é bombeada para uma caixa d"água superior, onde alimentará as bacias sanitárias dos apartamentos", finaliza Santos. 

Votorantim Cimentos aprimora matriz energética com resíduos urbanos
Lixões liberam 6 milhões de toneladas de gases de efeito estufa ao ano
Abetre apresenta cartilha com alternativas para gerenciamento de resíduos
Vendas explosivas da Tesla na Noruega fazem Mercedes viver seu momento Kodak