Enel vai expandir parque eólico no Brasil

A subsidiária brasileira de energia renovável do Grupo Enel, Enel Green Power Brasil Participações, iniciou a construção da expansão de 29,4 MW do parque eólico Delfina (180 MW), em operação na Bahia e atualmente a maior planta eólica da empresa no país. A EGPB investirá mais de 40 milhões de dólares na construção do projeto.

A expansão do parque eólico de Delfina, localizado no município de Campo Formoso, deverá entrar em operação em 2019, quatro anos antes do prazo estipulado pelas regras do leilão público A-6 de 2017, organizado pelo governo federal brasileiro por meio da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica). A EGPB conquistou no mesmo leilão direito de firmar contratos de fornecimento de energia também com os projetos eólicos Lagoa dos Ventos (Piauí) de 510 MW e Morro do Chapéu II (Bahia) de 78 MW. Uma vez concluída, a expansão de 29,4 MW de Delfina poderá gerar mais de 160 GWh por ano, evitando a emissão anual de mais de 80 mil toneladas de CO2 na atmosfera.

Foto: divulgação

“Com a expansão de Delfina, fortalecemos ainda mais nossa liderança no setor de renováveis do Brasil, em que somos a maior operadora de energia eólica e solar em termos de capacidade instalada e portfólio de projetos”, disse Antonio Scala, responsável da Enel Green Power na América do Sul. “Estamos comprometidos em ajudar o país a diversificar sua matriz de geração e, ao mesmo tempo, liderar iniciativas de desenvolvimento sustentável para atender às necessidades dos stakeholders locais. Por meio deste projeto, seguimos ampliando nossa presença no mercado brasileiro, que possui grande potencial, aproveitando a riqueza de recursos renováveis da Bahia ”.

De 2019 a 2022, a energia gerada pela expansão será vendida no mercado livre. A partir de 2023, a usina eólica será apoiada por contratos de fornecimento de energia de 20 anos, que preveem a venda de volumes específicos da energia gerada pela usina para um pool de empresas de distribuição que operam no mercado regulado brasileiro.

O parque eólico Delfina de 180 MW, que está em operação desde o ano passado, é capaz de gerar mais de 800 GWh anualmente e é atualmente o maior parque eólico da Enel no Brasil em termos de capacidade instalada e produção anual de energia.

Em linha com o modelo de Criação de Valor Compartilhado (CSV) adotado pelo Grupo Enel, que visa combinar o desenvolvimento de negócios e as necessidades da comunidade local, a EGPB estabeleceu um conjunto de iniciativas nas áreas no entorno do parque eólico Delfina, como programas pioneiros para a preservação de duas espécies locais ameaçadas de extinção: arara-azul-de-lear e a onça-parda nativa da Caatinga.

Link relacionado:

Conferência Novas Tecnologias de Energia Eólica

Calendário 2019
Solvay inaugura fábrica no Brasil e amplia participação na química sustentável
Mudanças do clima estão tornando os incêndios maiores, mais quentes e perigosos
Mulheres, inovação e protagonismo