Forte ação climática pode gerar US$ 26 trilhões até 2030

O relatório apresentado pela Comissão Global sobre Economia e Clima, na última quinta-feira (6), em Nova York, ao secretário-geral das Nações Unidas António Guterres, revela que estamos subestimando significativamente os benefícios de um crescimento mais limpo e inteligente em termos de clima. Uma ação climática arrojada poderia gerar pelo menos US$ 26 trilhões em benefícios econômicos até 2030, em comparação com a economia convencional.

O estudo conclui que, ao longo da última década, houve um importante progresso tecnológico e de mercado conduzindo a mudança para uma nova economia climática. Novos empregos, redução de gastos, competitividade e oportunidades de mercado, são alguns benefícios reais a serem vistos. O momento está sendo construído por uma ampla gama de cidades, governos, empresas, investidores e outros ao redor do mundo, mas ainda não rápido o suficiente.

"Os formuladores de políticas devem tirar o pé do freio e enviar um sinal claro de que a nova história de crescimento está aqui e que vem com oportunidades econômicas e de mercado estimulantes. Se agirmos de forma decisiva agora, podemos ganhar US$ 26 trilhões e um planeta mais sustentável. Estamos em um momento único, do tipo use-o ou perca-o", disse a a ex-ministra das Finanças da Nigéria e copresidente da Comissão Global, Ngozi Okonjo-Iweala.

Foto: divulgação

Para o CEO da Unilever, Paul Polman, os líderes econômicos e financeiros do governo e setor privado precisam fazer ainda mais e com maior rapidez, para aproveitarmos todos os benefícios dessa nova oportunidade de crescimento de baixo carbono: "Estamos vendo um momento notável de estados, regiões, cidades, empresas, investidores e cidadãos de todo o mundo, transformando compromissos e promessas do clima em ações. Aqueles que agem corajosamente estão vendo benefícios tangíveis no processo.”

O Unlocking the Inclusive Growth Story of the 21st Century: Accelerating Climate Action in Urgent Times destaca as oportunidades em cinco sistemas econômicos principais – energia, cidades, alimentos, uso da terra, água e indústria – e demonstra que ações arrojadas nesses sistemas poderia gerar ganhos econômicos líquidos em comparação com os negócios habituais.

A precificação do carbono é um dos destaques do relatório. Gerar, apenas reformando os subsídios, cerca de US $ 2,8 trilhões em receitas governamentais por ano em 2030 - equivalente ao PIB total da Índia hoje - fundos que podem ser usados para investir em outras prioridades públicas ou reduzir impostos distorcidos. A Comissão Global pede que governos, empresas e líderes financeiros também priorizem, nos próximos 2 a 3 anos, a aceleração dos investimentos em infraestrutura sustentável e aproveitamento do poder do setor privado para desencadear a inovação.

"Os modelos econômicos atuais não conseguem captar nem a poderosa dinâmica, nem as qualidades muito atraentes das novas tecnologias e estruturas. Assim, sabemos que estamos subestimando os benefícios dessa nova história de crescimento. E, além disso, fica cada vez mais claro que os riscos dos danos causados pelas mudanças climáticas são imensos e os pontos de inflexão e irreversibilidades estão cada vez mais próximos", pontua o professor de Economia e Governo na London School of Economics, Nicholas Stern.

A diretora de Programa da Nova Economia Climática e principal autora do documento, Helen Mountford, sintetiza: "O objetivo deste relatório é demonstrar como acelerar a mudança para esse novo caminho de crescimento".

Votorantim Cimentos aprimora matriz energética com resíduos urbanos
Lixões liberam 6 milhões de toneladas de gases de efeito estufa ao ano
Abetre apresenta cartilha com alternativas para gerenciamento de resíduos
Vendas explosivas da Tesla na Noruega fazem Mercedes viver seu momento Kodak