FSC reforça a importância das florestas para o desenvolvimento sustentável

Em todo o mundo, quase 190 milhões de hectares de florestas possuem a certificação FSC. O Brasil ocupa o 7º lugar no ranking mundial, com quase 7 milhões de hectares. A maior parte desse total ainda é de plantações florestais, que reconhecidamente estão entre as mais sustentáveis do mundo. Mas o potencial para os biomas nativos, como a Amazônia e a Mata Atlântica, é enorme. Somos donos do maior remanescente de floresta tropical do mundo e, economicamente, um dos principais players do agronegócio. É inegável que o Brasil é um país de vocação florestal que precisa encarar essa riqueza como parte importante da solução para demandas futuras de energia, alimentos, fibras, madeiras e parte do caminho a ser trilhado rumo a uma economia mais verde.

Foto: Divulgação

Nesse cenário – e ao longo desses 25 anos de trabalho – a certificação FSC, que vale tanto para o manejo quanto para a cadeia de custódia, aparece como uma ferramenta para o desenvolvimento sustentável que integra os três pilares da sociedade: econômico, social e ambiental. “Dados do Ministério do Meio Ambiente, estima-se que 69% da floresta tenha potencial produtivo. É preciso mudar a consciência corrente de se obter vantagens rápidas e entender que, acabar com o desmatamento depende de como fomentaremos a economia florestal”, diz Aline Tristão, diretora executiva do FSC Brasil.

Hoje, no Dia Internacional das Florestas, quando os debates sobre desmatamento e aquecimento global ganham palco, o FSC faz questão de reforçar que floresta bem manejada significa desenvolvimento territorial responsável e geração de renda. Para muito além de produtos madeireiros, como móveis e papel, há também uma infinidade de produtos como açaí, erva-mate e castanha, além da imensurável riqueza dos serviços ecossistêmicos.

“O nosso principal desafio é mostrar que as florestas têm condições de fomentarem cada vez mais opções de negócios, sem a necessidade de desmatar. É preciso parar de sacrificar as florestas por causa de benefícios a curto prazo”, ressalta Aline. 

O FSC desempenha um importante papel na preservação de serviços ecossistêmicos como água limpa, solo fértil, armazenamento de carbono, conservação da biodiversidade e possui um novo procedimento para que os manejadores florestais certificados possam medir, verificar e comunicar seus impactos positivos. Estudos e pesquisas independentes, como “Environmental Impacts of Forest Certification”, da Universidade de Wageningen (Holanda), e “O impacto da Certificação FSC no mundo”, realizado pela WWF, mostram que o trabalho do FSC, ao longo dessas mais de duas décadas, gerou inúmeros impactos positivos e benefícios tangíveis para as comunidades locais, trabalhadores e meio ambiente.

Tecpar busca parceiros para estimular pesquisa e desenvolvimento
EDP inaugura mais um posto de recarga para veículos elétricos no Espírito Santo
Novo estudo mostra que restauração em larga escala já está acontecendo na Mata Atlântica
Giovani Vitória Machado é o novo diretor da EPE