FSC reforça a importância das florestas para o desenvolvimento sustentável

Em todo o mundo, quase 190 milhões de hectares de florestas possuem a certificação FSC. O Brasil ocupa o 7º lugar no ranking mundial, com quase 7 milhões de hectares. A maior parte desse total ainda é de plantações florestais, que reconhecidamente estão entre as mais sustentáveis do mundo. Mas o potencial para os biomas nativos, como a Amazônia e a Mata Atlântica, é enorme. Somos donos do maior remanescente de floresta tropical do mundo e, economicamente, um dos principais players do agronegócio. É inegável que o Brasil é um país de vocação florestal que precisa encarar essa riqueza como parte importante da solução para demandas futuras de energia, alimentos, fibras, madeiras e parte do caminho a ser trilhado rumo a uma economia mais verde.

Foto: Divulgação

Nesse cenário – e ao longo desses 25 anos de trabalho – a certificação FSC, que vale tanto para o manejo quanto para a cadeia de custódia, aparece como uma ferramenta para o desenvolvimento sustentável que integra os três pilares da sociedade: econômico, social e ambiental. “Dados do Ministério do Meio Ambiente, estima-se que 69% da floresta tenha potencial produtivo. É preciso mudar a consciência corrente de se obter vantagens rápidas e entender que, acabar com o desmatamento depende de como fomentaremos a economia florestal”, diz Aline Tristão, diretora executiva do FSC Brasil.

Hoje, no Dia Internacional das Florestas, quando os debates sobre desmatamento e aquecimento global ganham palco, o FSC faz questão de reforçar que floresta bem manejada significa desenvolvimento territorial responsável e geração de renda. Para muito além de produtos madeireiros, como móveis e papel, há também uma infinidade de produtos como açaí, erva-mate e castanha, além da imensurável riqueza dos serviços ecossistêmicos.

“O nosso principal desafio é mostrar que as florestas têm condições de fomentarem cada vez mais opções de negócios, sem a necessidade de desmatar. É preciso parar de sacrificar as florestas por causa de benefícios a curto prazo”, ressalta Aline. 

O FSC desempenha um importante papel na preservação de serviços ecossistêmicos como água limpa, solo fértil, armazenamento de carbono, conservação da biodiversidade e possui um novo procedimento para que os manejadores florestais certificados possam medir, verificar e comunicar seus impactos positivos. Estudos e pesquisas independentes, como “Environmental Impacts of Forest Certification”, da Universidade de Wageningen (Holanda), e “O impacto da Certificação FSC no mundo”, realizado pela WWF, mostram que o trabalho do FSC, ao longo dessas mais de duas décadas, gerou inúmeros impactos positivos e benefícios tangíveis para as comunidades locais, trabalhadores e meio ambiente.

Renner utiliza energia solar para abastecimento de lojas
Um em cada três dos focos de queimadas na Amazônia tem relação com desmatamento
EDP e Eneva inauguram primeira estrada construída com cinzas de carvão
Eternit aposta na telha fotovoltaica