Geração eólica expande no Brasil e atinge o patamar de Itaipu

Se em meados de 2010 a energia eólica produzida no Brasil era praticamente nula - considerada na época um experimento do setor elétrico-, menos de uma década depois as usinas eólicas contam com uma capacidade instalada equivalente ao consumo residencial médio de cerca de 75 milhões de pessoas – mais do que o total de habitantes dos estados de São Paulo e Minas Gerais somados.

De acordo com os dados da Associação Brasileira de Geração de Energia Eólica (Abeeólica), a eletricidade gerada a partir dos ventos ultrapassou 14,34GW em 2018, patamar equivalente à produção anual da usina de Itaipu – a segunda maior hidrelétrica do mundo. "O Brasil avançou muito na geração de energia eólica principalmente nos últimos anos, mas o país ainda possui uma grande capacidade a ser explorada, em especial na região Nordeste", comenta o gerente de Energias Renováveis do Grupo Prysmian, Daniel Azevedo.

Foto: Página Sustentável

A multinacional italiana, líder mundial em tecnologia e desenvolvimento de cabos e sistemas para a área energética, tem o Brasil como o principal mercado consumidor latino americano de insumos para o segmento.

Presente em todos os parques eólicos brasileiros desde os primeiros passos da geração desse tipo de eletricidade no país, a empresa aposta no crescimento da produção da energia gerada pelos ventos em 2019. "Com os leilões já realizados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) as previsões indicam uma forte expansão das usinas eólicas a partir de 2020", explica Azevedo.

Segundo a Abeeólica, a eletricidade gerada a partir da força dos ventos deverá ser a segunda fonte de energia do Brasil em menos de três anos, ficando atrás somente da hidrelétrica. Atualmente, as eólicas representam 8% da geração de toda a energia produzida no país pelas usinas do Sistema Interligado Nacional, crescendo em um ritmo superior a 20% por ano, índice muito acima das demais fontes renováveis.

O Brasil conta com 568 empreendimentos eólicos localizados em 12 estados, principalmente no Nordeste – região que possui os melhores índices de ventos do mundo para a geração de eletricidade. No Nordeste, a energia eólica já responde por mais de 70% da geração de energia e o fator de capacidade do Brasil – índice que mede o grau de aproveitamento dos aerogeradores para produzir energia eólica – é um dos maiores do mundo.

Votorantim Cimentos aprimora matriz energética com resíduos urbanos
Lixões liberam 6 milhões de toneladas de gases de efeito estufa ao ano
Abetre apresenta cartilha com alternativas para gerenciamento de resíduos
ES: EDP e Findes inauguram posto de recarga rápida para veículos elétricos