Grupo 3corações lança projeto que une cultura indígena, café e floresta amazônica

O Grupo 3corações lança iniciativa que tem como principal objetivo valorizar o trabalho que indígenas produtores de café estão realizando no coração da floresta amazônica e, com isso, dar protagonismo a eles. O projeto fomenta um desenvolvimento sustentável amparado nos pilares social, ambiental e econômico interagindo de forma harmoniosa.

Foto: Página Sustentável

A companhia está construindo este trabalho com os povos indígenas do estado de Rondônia na Terra Indígena Sete de Setembro, localizada na cidade de Cacoal, e Terra Indígena Rio Branco, na cidade de Alta Floresta. E para celebrar o início desta parceria, o Grupo 3corações realizou a doação de mudas de café aos povos indígenas como uma forma de simbolizar o plantio de novas oportunidades e uma parceria duradoura. Além disso, visando a sustentabilidade, o reconhecimento e a valorização, o Grupo 3corações comprará 100% dos cafés cultivados nas duas Terras Indígenas.

O projeto engloba iniciativas de capacitação para dar acesso as melhores práticas na produção de cafés de qualidade. O primeiro treinamento com foco em cafés de qualidade ocorreu em março de 2019 no município de Ouro Preto do Oeste para lideranças indígenas que levarão adiante os conhecimentos adquiridos. A companhia também está investindo na infraestrutura necessária nas aldeias para viabilizar aprodução dos cafés almejados.

"Ao longo dos 60 anos de história do Grupo 3corações, buscamos parcerias genuínas e duradouras. Este é um projeto que caminha neste sentido e além disso valoriza a diversidade cultural que existe no Brasil. Como maior empresa de cafés do país com 27% de Market Share, temos responsabilidade de desenvolver a cadeia produtiva do café e este projeto é uma oportunidade única de uma iniciativa sustentável que une riquezas do Brasil e cria valor para todos os envolvidos", diz o presidente da companhia, Pedro Lima.

Coopermiti comemora a marca de 2,5 mil toneladas de lixo eletrônico reciclados em 10 anos
Relacionamento com comunidade indígena é um desafio, mas também oportunidade para construção de uma agenda positiva
São Paulo: 44% da bioeletricidade em 2018
Temperaturas de março no Alasca alcançam 20°F a mais do que o usual