Indústria baiana de celulose tem recorde na redução de água

Na semana em que é celebrado o Dia Mundial da Água, 22 de Março, a Veracel anuncia seu melhor resultado, conquistando recorde interno de utilização de recursos hídricos: foram 23,6 m³ de água para cada tonelada de celulose produzida. Anteriormente, a melhor marca anual havia sido 25 m³ por tolenada, redução de 5,6% na área industrial.

O Brasil é o país com mais disponibilidade de água doce, mas sua distribuição natural é desigual. A partir da resolução nº 32 de 2003, publicada pelo Conselho Nacional de Recurso Hídricos, o país está dividido em 12 regiões hidrográficas, sendo que a maior abundância desse recurso se encontra na região Norte, onde é baixa a densidade demográfica e menor concentração de indústrias.

Foto: Divulgação

De acordo com o coordenador de Controle Ambiental da Veracel, Tarciso Matos, o resultado demonstra a capacidade de interação entre as equipes de meio ambiente, operação, manutenção e engenharia: “Quando trabalhamos juntos e de forma cooperativa, alcançamos um resultado muito maior. As iniciativas de redução de consumo adotadas tiveram um custo muito baixo para a empresa e trouxeram um retorno financeiro significativo com a economia de água.”

O coordenador explica que as soluções para aprimorar a gestão do recurso natural nos processos industriais da Veracel tiveram foco na eliminação dos transbordos de água dos tanques e no reuso da água de selagem das bombas. Foram implementadas lógicas de controle nos tanques, criado alarmes nos painéis, realizadas pequenas modificações estruturais nas tubulações e desenvolvidas ferramentas para acompanhamento diário.

Segundo o diretor Industrial da Veracel, Ari Medeiros, foram estabelecidas metas para reduzir em 10% o uso específico de água da fábrica até 2020, tendo como objetivo alcançar uso inferior a 22,5 m³/tonelada de celulose. Para 2019, a meta é 23 m³/tonelada. “Temos um novo desafio para nos motivar, o que é totalmente possível e depende mais uma vez da interação de cada um de nós.”

Conforme consta no relatório de sustentabilidade, além do plano de ação para reduzir o uso de água, a empresa tem uma rotina de monitoramento do rio Jequitinhonha, onde é captada a água para suas operações. Nesse processo é avaliada periodicamente a qualidade do recurso hídrico, antes e depois do ponto de lançamento de efluentes tratados.

Dados da Agência Nacional de Águas (ANA) revelam que a maior demanda de água no país é para irrigação, geração de energia, mineração, aquicultura, indústria, lazer e turismo. O consumo por água doce é crescente e até 2020 deve aumentar em 24%, refletindo o crescimento econômico e expansão urbana. Isso reforça a necessidade de desenvolver novas tecnologias e alternativas de reuso que otimizem a utilização da água nos processos industriais. 

O setor industrial brasileiro ocupa a terceira posição em termos de uso de água. O segmento utiliza recursos hídricos nas diversas etapas de seus processos produtivos, incluindo a transformação de matéria-prima. Esse dado leva as empresas a repensarem suas práticas com a utilização da água, estimulando pesquisas e desenvolvimento para produzir de forma sustentável.

Link relacionado

Novas Tecnologias para Tratamento de Esgotos e Efluentes

Relacionamento com comunidade indígena é um desafio, mas também oportunidade para construção de uma agenda positiva
Coopermiti comemora a marca de 2,5 mil toneladas de lixo eletrônico reciclados em 10 anos
Temperaturas de março no Alasca alcançam 20°F a mais do que o usual
Waste-to-Energy