Instituto Supereco lança campanha ambiental sobre defeso e resíduos marinhos para a comunidade de São Sebastião

Estudos mundiais sobre poluição marinha por todos os tipos de resíduos, especialmente plásticos, indicam que até 2050 o mar terá mais lixo do que peixes. Uma agenda voltada aos oceanos e à sustentabilidade das regiões litorâneas é prioridade do Instituto Supereco, que comemora, em 2019, 25 anos e é responsável pela realização do Projeto Tecendo as Águas. 

Neste sábado, dia 16 de fevereiro, ocorre a entrega oficial da primeira placa educativa do programa #omarnaoestápralixo, cujo kit de sensibilização ambiental contém fichas e adesivos para comércios e embarcações com temáticas relacionadas ao defeso, resíduos marinhos, pesca amadora e turismo sustentável. O projeto é fruto de uma parceria com comunitários, a APA Marinha Litoral Norte e Prefeitura de São Sebastião. A ideia do kit surgiu de uma oficina de planejamento participativo com os pescadores da Bacia do Rio São Francisco, na primeira etapa do Tecendo as Águas, realizada entre 2013 e 2015. Os próprios comunitários representantes da cultura caiçara, e dos que vivem da pesca e do turismo, sugeriram a necessidade de materiais de sensibilização ambiental, com abordagem ao grande número de moradores e turistas que frequentam os píeres e transitam no litoral norte de SP.

Voluntária do Instituto Supereco participa da força-tarefa para retirar saco de lixo enterrado à beira mar. Foto: Divulgação

Segundo Carlos Alberto de Oliveira Dias, conhecido como Beto, que trabalhou com pesca durante 40 anos, abordar a questão do defeso é muito importante: "Do tempo que a gente trabalhava com camarão até agora caiu muito a produção, justamente pela falta de respeito com o período de defeso”. Sobre a sensibilização para a poluição marinha complementou: "O trabalho da Supereco para orientar a não jogar lixo na água é muito valioso. Cuidar do destino desse lixo é importante. Na minha embarcação eu sempre briguei para que não jogassem nada no mar, pois a gente, que trabalhou no arrasto de camarão, sabe o quanto de sujeira vem nas redes, contaminando e matando peixes e tartarugas. Me coloco também à disposição para ajudar nessa campanha", destacou.

O lançamento oficial contará com uma programação inaugural do kit pelos parceiros envolvidos, mutirão de limpeza e uma roda de conversa sobre a conservação dos oceanos, resíduos, turismo e pesca responsável. Para a presidente do Instituto Supereco e coordenadora-geral do Projeto Tecendo as Águas, Andrée de Ridder Vieira: "O protagonismo comunitário, principalmente dos pescadores e operadores de turismo como exemplo de respeito ao mar e à biodiversidade, é fundamental para sensibilizar e mobilizar moradores e turistas para uma conduta mais sustentável e responsável. O turismo do litoral norte é a principal vocação socioeconômica da região e não combina com poluição e degradação ambiental, sob todas as suas formas."

Aeroporto Salvador Bahia pretende economizar 2 milhões de m³ com sistema de reuso
Setor sucroenergético impulsiona economia e preservação do meio ambiente no Triângulo Mineiro
Energia solar fotovoltaica ocupa sétima posição na matriz elétrica brasileira e ultrapassa nuclear
FSC reforça a importância das florestas para o desenvolvimento sustentável