Melhoramento genético da aveia aumenta produção do cereal no Brasil

Programa de melhoramento genético de aveia permitiu o cultivo do cereal em áreas do Sul do Brasil, tornando o país autossuficiente e criando uma rede de pequenos produtores na região. Por sua contribuição à sociedade, o estudo conquistou o segundo lugar no Prêmio Péter Murányi, edição Ciência & Tecnologia.

Iniciado em 2000, sob coordenação dos professores Luiz Carlos Federizzi e Marcelo Teixeira Pacheco, o projeto nasceu com objetivo de adaptar sementes da aveia ao clima subtropical para criar resistência as pragas que inviabilizam as colheitas. 

Foto: Divulgação

Com o uso de técnicas de genética e melhoramento clássico, os pesquisadores obtiveram grãos de aveia capazes de resistir à composição do solo brasileiro, rico em alumínio. Os cultivares produzidos foram amplamente adotados pelos produtores da região Sul. Desde 2005, as safras de aveia têm mais de 90% de sementes produzidas no Brasil.

"Qualidade é um fator fundamental para que as indústrias processadoras possam utilizam o grão de aveia. Com os trabalhos e estudos realizados permitimos que o agricultor médio produza aveia para o setor", contam Federizzi e Teixeira Pacheco.

O projeto levou quatro anos para ser concluído. Os resultados colhidos permitiram que o Brasil deixasse de ser um importador de aveia. A iniciativa possibilitou, também, o surgimento de pequenas empresas processadores de grãos no interior do Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Segundo a presidente da Fundação Péter Murányi, Vera Murányi Kiss, entidade instituidora e organizadora da premiação, o resultado da votação mostra a importância da ciência na melhoria da qualidade e produtividade de nossas colheitas. "Nesta edição pudemos ver o quanto o trabalho de nossos pesquisadores, apoiados em constantes estudos científicos, tem sido capaz de vencer desafios naturais, como nosso clima, e aumentar a capacidade de nossa lavoura, tornando-a mais sustentável e produtiva", disse Kiss.

Por dentro do Prêmio Péter Murányi 2019

Eleito vencedor, o aplicativo "SOS Chuva" permite aos usuários acessar dados de satélites meteorológicos que cobrem todo o país e saber, com antecedência, quando e onde ocorrerão eventos climáticos extremos.

O trabalho foi selecionado por um júri composto por representantes de entidades nacionais e internacionais ligadas à área de ciência e tecnologia, integrantes de universidades federais, estaduais e privadas, personalidades de renome e membros da sociedade.

Em terceiro lugar foi escolhido o medicamento de uso tópico "Acheflan". Desenvolvido com base em uma planta da flora nacional, a erva baleeira, o produto se mostrou muito eficaz no combate a dores e inflamações, tornando-se o remédio mais prescrito com essas finalidades.

Nessa edição, o Prêmio Péter Murányi recebeu 140 trabalhos vindos de toda a América Latina. O prêmio é realizado anualmente, com temas que se alternam a cada edição: saúde; ciência & tecnologia; alimentação; e educação.

Shopping Parque da Cidade adota inovação em sistemas de gestão da água
Projeto fortalece posição estratégica do etanol
Encontro no Sesc Avenida Paulista discute os caminhos do fotoativismo
Transformar cidades em um lugar melhor para viver: o futuro sendo construído hoje