PLD médio sobe para R$ 293 MWh

A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) apresentou, na última segunda-feira (25/2), análise do comportamento do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) ao longo do mês de fevereiro e início de março. A hidrologia ruim, observada no final de 2018 e estendida até fevereiro deste ano, ainda impacta na projeção do PLD médio para 2019, que passou de R$ 260/MWh para R$ 293/MWh no submercado Sudeste/Centro-Oeste.

“A redução das afluências, que começou ainda no final de 2018, provocada por um bloqueio das frentes frias, persistiu até fevereiro, impactando diretamente na elevação do preço, mesmo no período úmido”, lembra a especialista de preços da CCEE, Camila Giglio. Com o término do bloqueio, as afluências esperadas para o sistema começam a melhorar com índices previstos para março em 80% no Sudeste, 104% no Sul, 42% no Nordeste e em 76% no Norte.

Foto: Página Sustentável

O impacto da hidrologia também afetou os níveis de armazenamento dos principais reservatórios do sistema, outro fator de aumento do PLD, principalmente em fevereiro. No Sudeste, os reservatórios registraram queda de 2 p.p. (28,4%) e no Sul, a redução foi de 3.9 p.p. com níveis em 39,5%. Os níveis, por sua vez, subiram 1.6 p.p. no Nordeste (43,8%) e 10,4 p.p. no Norte (41,4%).

Tal conjuntura teve reflexo direto no PLD ao longo de fevereiro, levando o preço médio no Sudeste/Centro-Oeste e no Sul, a cerca de R$ 444/MWh, situação que foi amenizada no final do mês, deixando os preços para a primeira semana de março nos dois submercados em R$ 340/MWh.

O fator de ajuste do Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) esperado para 2019 é de 82,1%, com índice em 147,3% em fevereiro e em 135,3% previsto para março. Quando a projeção do MRE é ligada à repactuação do risco hidrológico, que considera a sazonalização “flat” da garantia física, aponta índices de 95,1% para fevereiro e 92,6% para março.

Já o impacto financeiro da análise do MRE, dentro do cenário hipotético de 100% de contratação da garantia física, chegou a R$ 24 bilhões para o ano, sendo R$ 17 bilhões referentes ao Ambiente de Contratação Regulada (ACR) e R$ 7 bilhões ao Ambiente de Contratação Livre (ACL).

Os Encargos de Serviços do Sistema (ESS), por sua vez, devem fechar fevereiro em R$ 236 milhões, sendo R$ 43 milhões por restrição elétrica, R$ 135 milhões por conta da reserva operativa de potência e outros R$ 58 milhões para a segurança energética. Para março, há previsão de encargos em R$ 12 milhões, sendo R$ 11 milhões por conta da restrição elétrica e R$ 1 milhão referente à reserva operativa de potência.

Shopping Parque da Cidade adota inovação em sistemas de gestão da água
Projeto fortalece posição estratégica do etanol
Encontro no Sesc Avenida Paulista discute os caminhos do fotoativismo
Transformar cidades em um lugar melhor para viver: o futuro sendo construído hoje