Projeções da CCEE indicam PLD médio em R$ 260 MWh para 2019

A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) apresentou, na última segunda-feira (28), análise do comportamento do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) de janeiro e início de fevereiro. A piora no cenário hidrológico, iniciada no final do ano passado e confirmada em janeiro, tem impacto direto na revisão do PLD médio projetado para 2019. No submercado Sudeste/Centro-Oeste, o preço passou de R$ 142/MWh para R$ 260/MWh.

“O cenário hidrológico começou a mudar na segunda quinzena de dezembro, quando um sistema de alta pressão se instalou no país e reduziu as afluências, inclusive ao longo de janeiro, exceto no Sul, onde as chuvas ficaram concentradas. Para fevereiro, a expectativa é de ENAs abaixo da média histórica em todos os submercados, com destaque negativo para o Nordeste com afluências esperadas em apenas 18% da média, confirmando a mudança do cenário previsto”, afirma a especialista de preços da CCEE, Camila Giglio. As demais afluências são esperadas em 71% no Sudeste, 80% no Sul e em 83% no Norte.

Foto: Página Sustentável

As condições menos otimistas de hidrologia também impactaram nos níveis iniciais de armazenamento dos reservatórios do Sistema. No Sudeste, os reservatórios registraram queda de 0.3 p.p. (27,3%), e no Sul houve redução de 10.7 p.p. com níveis em 48,7%. Já no Nordeste (+2,7 p.p.) e no Norte (+1,5 p.p,), houve elevação nos níveis dos reservatórios que ficaram em 42,7% e 28,8%, respectivamente.

Os reflexos dessa conjuntura com afluências e níveis de reservatórios menos otimistas foram verificados no decorrer de janeiro, deixando o PLD médio no Sudeste/Centro-Oeste em R$ 192,10/MWh, situação mantida para a primeira semana de fevereiro com o PLD fixado em R$ 337,10/MWh no mesmo submercado.

O fator de ajuste do Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) esperado para 2019 é de 82,9% com índice em 161,6% em janeiro e em 155,2% previsto para fevereiro. Quando a projeção do MRE é ligada à repactuação do risco hidrológico, que considera a sazonalização “flat” da garantia física, aponta índices de 100,1% para janeiro e 100,5%, para o segundo mês do ano.

Já o impacto financeiro da análise do MRE, dentro do cenário hipotético de 100% de contratação da garantia física, é de R$ 22 bilhões para o ano, sendo R$ 15 bilhões referentes ao Ambiente de Contratação Regulada (ACR) e R$ 7 bilhões ao Ambiente de Contratação Livre (ACL).

Os Encargos de Serviços do Sistema (ESS), por sua vez, devem alcançar R$ 238 milhões em janeiro, sendo R$ 76 milhões por restrição elétrica e R$ 161 milhões por conta da reserva operativa de potência. Para fevereiro, há previsão de encargos em R$ 64 milhões por conta da restrição elétrica.

Armazenamento Energético em Geração Distribuída
Brasil está em 56º lugar no ranking de iniciativas urbanas sustentáveis
Programa que reciclou mais de 50 milhões de garrafas de vidro ganha escala setorial
Exportação de produtos florestais alcança US$ 2,8 bilhões no 1º trimestre