Projeto visa incentivar a transição energética do transporte público no Brasil

As inscrições para o edital, que selecionará grupos de três cidades ou regiões metropolitanas brasileiras, para aprovar um marco legal e garantir a transição energética do transporte por ônibus estão chegando ao fim. O prazo vai até 5 de outubro. 

A Purpose, responsável pela iniciativa, oferecerá às organizações selecionadas um programa de mentoria contínua de estratégia política, mobilização e comunicação. Também ajudará a desenvolver estratégias e materiais de comunicação; apoiará a tradução do conhecimento técnico e informações complexas sobre transição energética para a população; e contribuirá com a interlocução com outras organizações relacionadas ao tema.

O marco legal é importante porque o transporte coletivo urbano é um serviço público e, ainda que sua exploração possa ser concedida à iniciativa privada, é o poder público o grande responsável por definir as regras de funcionamento, incluindo o tipo de combustível usado pela frota e limites de poluentes.

Foto: divulgação

"Um único ator - o poder público - pode cortar a emissão de 22 milhões de toneladas de gás carbônico se exigir que ônibus movidos a combustíveis limpos entrem em operação. A liderança de atores locais é fundamental nesse processo. É a população local que tem legitimidade para cobrar, conhecimento para articular, e sensibilidade para planejar um caminho eficaz para um futuro sem poluição no ar", destaca o coordenador do projeto que faz parte , Flávio Siqueira.

Reduzir a poluição dos ônibus é uma urgência ambiental e também de saúde pública. Um estudo do Instituto Saúde e Sustentabilidade demonstrou que mais de 4 mil pessoas morrem todos os anos apenas na cidade de São Paulo por conta da poluição emitida pela queima do diesel proveniente de ônibus municipais. "Muitas pessoas desconhecem a correlação entre mobilidade, clima e saúde e essas informações precisam ser compartilhadas localmente para que os cidadãos tenham plena consciência do que está em jogo", explica Américo Sampaio, da Rede Nossa São Paulo.

Atualmente, a cidade de São Paulo é a única no Brasil a contar com uma lei que exige a transição para energias limpas dos veículos de transporte público. A medida tem o intuito de combater a poluição do ar que causa as mudanças do clima e que provocam inúmeras doenças - problemas que não são exclusivos dos paulistanos. Em todo o Brasil, as emissões dos chamados gases de efeito estufa pelo setor de transportes são as que mais cresceram nos últimos anos. Por este motivo, o grupo de organizações e movimentos sociais que lutaram e conseguiram fazer aprovar essa lei querem compartilhar sua experiência com outras cidades para que mais municípios passem a combater formalmente a poluição gerada pelo transporte público. O projeto visa também gerar experiências que sirvam de modelo e inspiração para organizações e coletivos em outras cidades brasileiras.

"As políticas de mobilidade urbana precisam desestimular o uso do automóvel e oferecer transporte coletivo de qualidade. Isso é responsabilidade direta do poder público", lembra Rafael Calábria, do Instituto de Defesa do Consumidor (IDEC).

Tetra Pak apresenta websérie sobre histórias de vida daqueles que atuam com reciclagem no país
Qual é a contribuição dos transgênicos para o meio ambiente?
PLD cai 15% em todos os submercados
Agricultura brasileira e redução dos gases de efeito estufa