Rede Brasil promove atividades em conferência mundial sobre mudanças climáticas

A Rede Brasil do Pacto Global desembarcou, na última segunda-feira (3), em Katowice (Polônia) para promover atividades com o empresariado brasileiro no evento que sedia a governança sobre as mudanças do clima, a COP24 (Conferência das Partes). A iniciativa brasileira da ONU prepara uma programação com três atividades no Espaço Brasil, criado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) e Ministério das Relações Exteriores por meio da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). O evento mundial segue até dia 14 de dezembro. Com a participação do diretor e enviado do secretário geral da Cooperação Sul, Jorge Chediek, a Rede Brasil discute as metas do Acordo de Paris e a cooperação de empresas com seus stakeholders como fatores transversais para o alcance dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). As atividades da Rede Brasil como secretaria-executiva da Iniciativa Empresarial em Clima (IEC) abordam como os negócios têm tomado a liderança através de iniciativas voluntárias para mitigação e adaptação.

Foto: divulgação

Segundo o mais novo relatório do Painel Intergovernamental da Mudança Climática (em inglês Intergovernmental Painel on Climate Change, ou IPCC), os esforços não estão sendo o suficiente para que temperatura média mundial não alcance os 2°C acima dos níveis pré-industriais, como previsto para os próximos 30 anos. O aquecimento global, relacionado cientificamente à alta emissão de gases de efeito estufa, traz consequências devastadoras como a perda de habitats naturais de espécies e aumento do nível do mar.

Os 170 países que ratificaram o Acordo de Paris de 2015 e assinaram a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (em inglês, United Nations Framework Coinvention on Climate Change, ou UNFCCC) se comprometeram a explorar alternativas para diminuir a produção de dióxido de carbono e garantir um cenário mais seguro – aumento apenas de 1,5° da temperatura média mundial. A COP foi uma das formas encontradas pelas Nações Unidas para manter o diálogo entre as partes e garantir a implantação da UNFCCC, uma das convenções adotadas durante a ECO-92 no Rio de Janeiro.

"A COP21 viu o nascimento do Acordo. Na Polônia, como eu chamo Paris 2.0, juntaremos as peças e faremos as orientações necessárias para construir um quadro que seja realmente operacional. A COP é também uma oportunidade para formalizar os resultados do Diálogo de Talanoa, proposta da COP23 (Bonn), para aumentar a ambição dos planos nacionais estabelecidos no Acordo de Paris”, disse a secretária executiva das Nações Unidas para as Mudanças do Clima, Patrícia Espinosa. 

Aeroporto Salvador Bahia pretende economizar 2 milhões de m³ com sistema de reuso
FSC reforça a importância das florestas para o desenvolvimento sustentável
Setor sucroenergético impulsiona economia e preservação do meio ambiente no Triângulo Mineiro
Energia solar fotovoltaica ocupa sétima posição na matriz elétrica brasileira e ultrapassa nuclear