Selo verde é concedido pela primeira vez a uma comercializadora de energia

A Nova Energia é a primeira comercializadora de energia elétrica a obter o Selo Energia Verde, concedido pela União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) no âmbito do Programa de Certificação da Bioeletricidade -  iniciativa que conta com a cooperação da Câmara de Comercialização de Energia (CCEE) e apoio da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel).

A certificação foi entregue para Nova Energia, e também para 15 usinas de bioenergia que renovaram o certificado para 2019, durante evento realizado no auditório da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) em 28 de fevereiro.

Foto: Divulgação

Na abertura da cerimônia de entrega das certificações, a vice-presidente do Conselho de Administração da CCEE, Solange David, destacou a importância do Selo Energia Verde e da cooperação técnica entre a CCEE, Unica e Abraceel: “A iniciativa contribui para qualificar e valorizar cada vez mais a geração de energia sustentável a partir da biomassa que tem papel fundamental no suporte a cadeias produtivas, em especial na região Sudeste do Brasil.”

O Selo Energia Verde é concedido desde 2015 a usinas produtoras de bioeletricidade que cumprem quesitos ambientais, de eficiência energética, bem como para consumidores de energia e comercializadoras no mercado livre. O selo é a primeira certificação no Brasil para energia produzida a partir da biomassa da cana-de-açúcar.

Para recebê-lo, a comercializadora precisa ser associada à Abraceel e membro da Câmara de Comercialização, além de ter adquirido energia elétrica de unidades produtoras com Certificado de Bioeletricidade. O contrato de aquisição tem que estar registrado na CCEE e corresponder a 0,3 MW médio/ano com prazo de validade de seis meses.

Aeroporto Salvador Bahia pretende economizar 2 milhões de m³ com sistema de reuso
FSC reforça a importância das florestas para o desenvolvimento sustentável
Energia solar fotovoltaica ocupa sétima posição na matriz elétrica brasileira e ultrapassa nuclear
Setor sucroenergético impulsiona economia e preservação do meio ambiente no Triângulo Mineiro