SP: moObie busca ampliar operação em Campinas

Maior plataforma de carsharing do Brasil, a moObie mantém seu trabalho de expansão. Com o objetivo de ampliar o alcance e a consistência de seu modelo, a startup escolheu a cidade de Campinas, segunda maior economia do estado de São Paulo, para intensificar sua operação na região.

Um dos motivos para a empresa escolher a cidade é a alta capacidade de demanda da mesma. Campinas é um dos principais municípios do Brasil no quesito proporção de carro por habitante: são 607 mil carros, proporcional a 51% da população - na cidade de São Paulo, essa proporção é de 49%. Campinas possui veículos da plataforma posicionados em todas as regiões da cidade inclusive em Barão Geraldo, com carros que contemplam tanto o público deseja um modelo mais econômico quanto com que procura uma alternativa de luxo ou esportiva, circulando assim por todos os padrões financeiros.

Foto: Divulgação

A cidade é também uma das que mais possuem usuários do app, mostrando um alto engajamento da população local com o compartilhamento de carros. Desde a chegada da moObie na região, já houve quase 100 reservas concluídas - são quase 8 mil usuários cadastradas na cidade do interior paulista.

Com isso, a moObie pode aprimorar ainda mais sua demanda na região, promovendo uma série de ações com a população da RMC para entenderem o funcionamento do serviço e as vantagens da plataforma. A expansão do carsharing na cidade é uma vantagem para os moradores locais, que sofrem uma série de dificuldades com o transporte público local, caro e com pouca inserção nos bairros.

"Entendemos que o carsharing é uma ideia disruptiva que deve trazer profundas mudanças à noção de mobilidade urbana e compartilhamento. Campinas pode ser considerada uma cidade muito aberta a conceitos novos e tecnologia, e que deve ser um dos motores dessa expansão em 2019", afirma Tamy Lin, CEO e fundadora da moObie.

O crescimento da moObie e do modelo de carsharing passar por uma série de investimentos e parcerias que a empresa tem efetuado. Recentemente, a startup divulgou que irá investir por volta de R$ 15 milhões até o final de 2019, e lançou parcerias-chave com empresas como a montadora Toyota e a seguradora Liberty.

O modelo tradicional de compartilhamento de carros, independentemente desses novos testes, acontece de Pessoa para Pessoa (P2P) por meio de um app intuitivo e prático. O condutor que precisa de um carro cadastra o cartão de crédito e a CNH pelo celular, que é avaliada pelo time da moObie quanto à validade e regularização, além de outros critérios que garantem a segurança da comunidade. O proprietário cadastra seu carro que passa por uma validação na qual são verificados a situação junto ao Detran/Denatran, vigência do seguro e critérios de elegibilidade.

Depois de cadastrado, o interessado acessa o mapa para analisar os veículos mais próximos que atendem a sua necessidade,o app para buscar o veículo disponível mais indicado à sua necessidade em um mapa de localização, verifica preço e solicita a reserva. Do outro lado, o dono visualiza o pedido e tem autonomia para aceitar ou não a solicitação na data especificada, de acordo com sua disponibilidade. O pagamento é feito no ato da confirmação da reserva via cartão de crédito do condutor e entra na conta do proprietário do carro cadastrada na moObie em datas pré-definidas.

No ato da entrega das chaves, é realizado um check-in no próprio app e na devolução é feito checkout via celular. O carro deve ser devolvido nas mesmas condições em que foi entregue, limpo e abastecido. Caso haja infração ou acidente durante a locação, há processos preestabelecidos para que o parceiro nunca tenha prejuízo. O número da habilitação do usuário fica registrado e o carro está segurado durante todo período de locação. Se houver sinistro, a seguradora da moObie é a responsável e não a do proprietário. E se houver infração, os pontos vão para o usuário, não para o dono do carro.

Link relacionado:

Conferência Transporte de Produtos, Logística e Frota Sustentável

Aeroporto Salvador Bahia pretende economizar 2 milhões de m³ com sistema de reuso
Energia solar fotovoltaica ocupa sétima posição na matriz elétrica brasileira e ultrapassa nuclear
Setor sucroenergético impulsiona economia e preservação do meio ambiente no Triângulo Mineiro
FSC reforça a importância das florestas para o desenvolvimento sustentável