SP: sistema de saneamento básico de Piracicaba é nota máxima no ranking da Abes

Piracicaba foi um dos principais destaques no Ranking ABES de Universalização do Saneamento 2018, lançado, na última semana de dezembro, pela Associação Brasileira de Engenharia Sanitária (Abes). O modelo de gestão do município conquistou, pelo segundo ano consecutivo, a pontuação máxima em tratamento de água, coleta e tratamento de esgoto, coleta de resíduos sólidos e destinação adequada.

Hamilton Amadeo, CEO da Aegea, acredita que PPP tem se mostrado frutífera convertendo-se em melhorias da prestação dos serviços oferecidos ao cidadão e é um exemplo a ser seguido em todo país.  
Foto: Divulgação

A fórmula de sucesso que garantiu a posição no topo da lista e a universalização dos serviços foi a parceria do setor público e privado. É nesse sentido, que a concessionária Mirante (empresa Aegea) passou a atuar no município, em junho de 2012, como operador do tratamento de esgoto, apoiando o Serviço Municipal de Água e Esgoto (Semae), por meio de Parceria Público-Privada (PPP).

A atuação conjunta desses atores viabilizou o investimento necessário para ampliação e modernização do sistema de cobertura oferecido à população. Desde o início das operações, a Águas do Mirante investiu na modernização do sistema de esgoto piracicabano com a criação do Centro de Controle de Operações e aumento da eficiência da rede.

“Piracicaba é um exemplo a ser seguido no restante do país. É a prova de que a universalização do saneamento é uma meta que pode ser alcançada mais rapidamente a partir da parceria entre os setores público e privado em prol de um objetivo comum: a melhoria da qualidade de vida da população”, ressalta Hamilton Amadeo, CEO da Aegea.

Link relacionado

Conferência Novas Tecnologias para Tratamento de Esgotos e Efluentes

Relacionamento com comunidade indígena é um desafio, mas também oportunidade para construção de uma agenda positiva
Coopermiti comemora a marca de 2,5 mil toneladas de lixo eletrônico reciclados em 10 anos
São Paulo: 44% da bioeletricidade em 2018
Temperaturas de março no Alasca alcançam 20°F a mais do que o usual