Urbanista recomenda concessão à iniciativa privada na construção do Parque Minhocão

Com custo estimado em R$ 38 milhões, a Prefeitura de São Paulo anuncia oficialmente a construção do Parque Minhocão, no Elevado Presidente João Goulart, na zona oeste da cidade. A criação de áreas de lazer, sem dúvida, é sempre bem-vinda, mas como realizar um investimento eminente diante da atual falta de recursos, até mesmo para manter o Parque do Ibirapuera e outros?

Valter Caldana comenta sobre a construção do Parque Minhocão.
Foto: Divulgação

O professor de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Valter Caldana, reforça que, na atual circunstância, gastar dinheiro público na construção de mais um parque é utopia. "Claro que a prefeitura deve oferecer áreas de lazer e recreação à população. No entanto, é de bom tom que estrutura do minhocão seja concedida à iniciativa privada, nas mesmas diretrizes e regras da concessão do Ibirapuera", diz Caldana.

De acordo com gestão municipal, o projeto está dividido em três etapas: implantação de obras de acessibilidade, segurança, criação do parque linear e regramento específico para o entorno. A previsão é que a primeira etapa, com a instalação dos acessos, seja entregue até dezembro de 2019.

Shopping Parque da Cidade adota inovação em sistemas de gestão da água
Projeto fortalece posição estratégica do etanol
Transformar cidades em um lugar melhor para viver: o futuro sendo construído hoje
Encontro no Sesc Avenida Paulista discute os caminhos do fotoativismo