Urbanista recomenda concessão à iniciativa privada na construção do Parque Minhocão

Com custo estimado em R$ 38 milhões, a Prefeitura de São Paulo anuncia oficialmente a construção do Parque Minhocão, no Elevado Presidente João Goulart, na zona oeste da cidade. A criação de áreas de lazer, sem dúvida, é sempre bem-vinda, mas como realizar um investimento eminente diante da atual falta de recursos, até mesmo para manter o Parque do Ibirapuera e outros?

Valter Caldana comenta sobre a construção do Parque Minhocão.
Foto: Divulgação

O professor de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Valter Caldana, reforça que, na atual circunstância, gastar dinheiro público na construção de mais um parque é utopia. "Claro que a prefeitura deve oferecer áreas de lazer e recreação à população. No entanto, é de bom tom que estrutura do minhocão seja concedida à iniciativa privada, nas mesmas diretrizes e regras da concessão do Ibirapuera", diz Caldana.

De acordo com gestão municipal, o projeto está dividido em três etapas: implantação de obras de acessibilidade, segurança, criação do parque linear e regramento específico para o entorno. A previsão é que a primeira etapa, com a instalação dos acessos, seja entregue até dezembro de 2019.

Aeroporto Salvador Bahia pretende economizar 2 milhões de m³ com sistema de reuso
Setor sucroenergético impulsiona economia e preservação do meio ambiente no Triângulo Mineiro
FSC reforça a importância das florestas para o desenvolvimento sustentável
Energia solar fotovoltaica ocupa sétima posição na matriz elétrica brasileira e ultrapassa nuclear