Conselho Europeu exige que empresas financeiras acompanhem os impactos ambientais de seus financiamentos

O conselho, que reúne os ministros de cada um dos países da UE para adotar legislação e coordenar políticas no bloco europeu, tomou medidas importantes para fomentar práticas sustentáveis nos investimentos financiados por empresas financeiras.

Foto: Divulgação

A primeira medida foi a introdução de um sistema obrigatório de declaração para as empresas integram fatores ambientais, sociais e de governança em suas decisões de investimentos. Uma vez que os agentes financeiros são designados pelos clientes para tomarem a decisão de onde investir, a proposta busca evidenciar os riscos e oportunidades também no que tange à sustentabilidade ou impacto climático de seus produtos e portfólios.

A segunda foi a criação de uma nova categoria de benchmark financeiro, para padronizar as metodologias de avaliação da pegada de carbono do portfólio de investimentos da empresa, com dois novos tipos: baixo carbono e impacto positivo de carbono - que seleciona apenas componentes que contribuem para alcançar o limite de 2°C estabelecido no Acordo de Paris.

Renner utiliza energia solar para abastecimento de lojas
EDP e Eneva inauguram primeira estrada construída com cinzas de carvão
Um em cada três dos focos de queimadas na Amazônia tem relação com desmatamento
Eternit aposta na telha fotovoltaica