Conheça as cinco principais tendências para definir o preço do carbono

O Instituto para Economia Climática (I4CE) atualizou seu banco de dados sobre políticas de precificação de carbono para publicar a Conta Carbono Global 2018. Esta visão geral apresenta cinco tendências principais na implementação das políticas em todo o mundo.

Poucas jurisdições implementaram um preço explícito de carbono. A partir de 1º de abril de 2018, 46 países e 26 províncias ou cidades adotaram políticas de precificação de carbono, consistindo em impostos sobre carbono e Esquemas de Comércio de Emissões (ETS). Essas jurisdições, no entanto, representam cerca de 60% do PIB global.

A adoção de políticas de precificação de carbono está se acelerando. Em 2017, 3 ETS e 3 impostos sobre carbono foram implementados e mais de 25 novos instrumentos de precificação de carbono foram anunciados para os próximos anos. Em abril de 2018, entre 20 e 25% das emissões globais de gases de efeito estufa (GEE) estavam cobertos por um preço explícito de carbono, percentual acima dos 13% registrados em 2016, principalmente devido à entrada em vigor do ETS na China em dezembro de 2017.

As receitas de carbono representam uma ferramenta de financiamento cada vez mais importante para o meio ambiente e a economia. O I4CE estima que as iniciativas de precificação de carbono geraram US $ 32 bilhões em receitas em 2017, acima dos US $ 22 bilhões em 2016. Em 2017, 65% das receitas de precificação de carbono vêm dos impostos sobre carbono. Em relação à alocação de receita, cada jurisdição faz escolhas claras, mas não chegam a constituir uma tendência em nível global.

Os preços do carbono são percebidos como muito baixos para a esfera econômica. O preço explícito de uma tonelada de CO2 em 2018 varia geralmente entre menos de US$ 1 e US$ 139, dependendo da jurisdição. No entanto, mais de 75% das emissões reguladas pela precificação de carbono são cobertas por um preço abaixo de 10 dólares, um nível considerado muito baixo para apoiar a transição de baixo carbono nos setores público e privado.

Os preços explícitos do carbono em 2018 não estão alinhados com a trajetória de 2° C. Para alcançar as metas da comunidade internacional sobre mudança climática enquanto sustenta o crescimento econômico, a Comissão de Alto Nível sobre preços de carbono, liderada pelos economistas Stern e Stiglitz, recomenda atingir um preço de carbono entre US$ 40 e US$ 80 por tonelada de CO2 até 2020, e entre US$ 50 e US$ 100 por tonelada de CO2 até 2030.

A versão final do estudo está disponível aqui.

 

 

Calendário 2019
Confira as principais dúvidas sobre o sistema solar
Mudanças do clima estão tornando os incêndios maiores, mais quentes e perigosos
Solvay inaugura fábrica no Brasil e amplia participação na química sustentável