Empresas menores apostam na geração distribuída

Empresas consumidoras que não demandam eletricidade suficiente para entrar no mercado livre são obrigadas, como as residências, a comprar energia das distribuidoras. Estas estão impulsionando a geração distribuída (GD), os painéis fotovoltaicos sobre os telhados. Aos poucos, a legislação vai sendo mudada para se tornar mais vantajosa. E as distribuidoras, que há pouco formavam uma grande barreira, estão entrando também no mercado. As distribuidoras enxergavam o painel como um concorrente que exigia investimento na infraestrutura da rede, mas que fazia o cliente com painéis consumir menos do que o vizinho sem painéis. Aos poucos, as distribuidoras começam a ver que, ao gerar localizadamente uma parte da própria energia, aliviam a demanda na região, o que significa menos manutenção e menos investimentos no reforço das linhas, ou seja, menos investimento mandatório. Ainda falta remover vários obstáculos para alcançar maturidade similar a de mercados como o europeu. Em alguns países, a distribuidora "aluga" o telhado para instalar painéis, o que faz o consumidor ter uma receita líquida, em meses de muito sol.

http://www.valor.com.br/brasil/5545493/mais-empresas-investem-em-geracao-distribuida